Imunidade pode durar até oito meses após covid, sugere estudo

CORONAVÍRUS

Saúde

Imunidade pode durar até oito meses após covid, sugere estudo

Além dos anticorpos IgG em pessoas recuperadas, cientistas identificaram também células de defesa consideradas importantes

Foto: Divulgação

Conforme o tempo passa, cientistas do mundo todo conseguem analisar com mais consistência a duração da imunidade em pessoas que já tiveram a covid-19. Um estudo publicado na revista Science nesta quarta-feira (6) aponta que células de defesa contra o coronavírus SARS-CoV-2 foram detectadas até oito meses após a infecção.

Os pesquisadores, dos Estados Unidos, analisaram os títulos de anticorpos IgG, mas também focaram nas células de defesa dos tipos B e T. Foram submetidas  ao estudo 254 amostras de sangue de 188 pacientes recuperados da covid-19. A maioria dos participantes (93%) não foi hospitalizada durante a doença — foram classificados como "casos leves".

"A distribuição da gravidade desses casos foi consistente com a distribuição geral da gravidade da doença sintomática entre os casos de covid-19 nos EUA", salientam os autores.

O artigo observa que entre 91% e 99% dos infectados pelo coronavírus têm a chamada soroconversão (desenvolvimento de anticorpos). Em relação aos anticorpos IgG, os pesquisadores observaram que os níveis permaneceram "duráveis, com reduções modestas nos títulos de 6 a 8 meses".

"É bem conhecido que a magnitude da resposta do anticorpo contra o SARS-CoV-2 é altamente heterogênea entre os indivíduos", acrescentam, ao exemplificar que os níveis de IgG entre alguns participantes chegaram a ter uma diferença de 200 vezes.

Ao avaliar os níveis de células de defesa em pessoas já curadas da covid-19, os pesquisadores ressaltam que "as células T CD4 + específicas para SARS-CoV-2 e células T CD8 + estão associadas a menos gravidade da doença.

Identificar células de defesa em pacientes recuperados significa que se voltarem a ter contato com o coronavírus poderiam, então, ter uma forma menos grave da doença. Todavia, ainda é cedo para fazer qualquer afirmação sobre a imunidade natural da covid-19, alertam os autores.

"Embora a memória imune seja a fonte da imunidade protetora de longo prazo, conclusões diretas sobre a imunidade protetora não podem ser feitas com base na quantificação de anticorpos circulantes SARS-CoV-2, células B de memória, células T CD8 + e células T CD4 + , porque os mecanismos de imunidade protetora contra SARS-CoV-2 ou covid-19 não estão definidos em humanos."

Fonte: Portal R7