Pacientes hematológicos devem ter cuidados redobrados com a covid-19

Saúde

Pacientes hematológicos devem ter cuidados redobrados com a covid-19

Pessoas diagnosticadas com cânceres no sangue apresentam maior risco de desenvolverem complicações, se forem infectadas pelo coronavírus

Foto: Divulgação

Pessoas diagnosticadas com câncer apresentam maiores chances de desenvolverem as formas mais graves da covid-19, caso sejam infectadas. De acordo com o Instituto Oncoguia, o risco é ainda maior para aqueles com cânceres no sangue, como leucemia, linfoma e mieloma múltiplo, principalmente, para os que passaram por recente transplante de medula óssea ou que estão em tratamento com quimioterapia. 

Esse cenário é alarmante já que, como aponta o Instituto Nacional de Câncer (Inca), só neste ano, são previstos mais de 300 novos casos de cânceres hematológicos em capixabas. Porém, especialistas explicam que é possível diminuir esse risco com a adoção dos cuidados necessários.

A hematologista Alessandra Prezotti, explica que os pacientes onco-hematológicos apresentam maior risco de desenvolverem as formas mais graves da infecção causada pelo vírus da covid-19 porque o tratamento ataca a defesa do organismo, que deveria proteger contra o coronavírus. “O nosso sistema imunológico é uma das principais armas do corpo para enfrentar infecções que surgem no organismo. Quando temos um câncer hematológico, na maioria das vezes, o tumor está no próprio sistema imunológico e o tratamento usado é exatamente para inibir o sistema imune, já que é preciso atacar onde está o problema. Dessa forma, como esses pacientes já são imunodeprimidos por definição, apresentam maiores chances de sofrerem complicações se contraírem a covid-19”, explica a especialista.

Cuidados são necessários

Ainda de acordo com a hematologista, todas as orientações às pessoas que fazem parte do grupo de risco do novo coronavírus são aplicáveis aos pacientes onco-hematológicos, especialmente para os que estão em tratamento quimioterápico ou radioterápico.“Devem respeitar o isolamento físico e só sair de casa quando estritamente necessário e sempre com uso de máscara de proteção, higienizar as mãos regularmente, manter os cômodos da casa arejados e evitar contato com pessoas que apresentem sintomas da gripe. Em caso de sintomas respiratórios leves, é fundamental que o paciente converse com o médico responsável pelo caso para saber se é recomendável ou não ter uma avaliação de urgência”, ressalta a médica.