1 em cada 4 jovens no mundo desenvolveu depressão e ansiedade na pandemia

Saúde

1 em cada 4 jovens no mundo desenvolveu depressão e ansiedade na pandemia

Estudo detectou que 25% das pessoas com 18 anos ou menos no mundo apresentavam sintomas depressivos

Foto: Divulgação

O número de jovens, com 18 anos ou menos, que apresentam sintomas de ansiedade e depressão dobrou durante a pandemia. Foi o que apontou um estudo global feito por pesquisadores canadenses.

Os resultados, publicados no periódico científico JAMA Pediatrics, da Associação Médica Americana, mostram que o índice de jovens com sintomas de depressão era de 12,9% antes da covid-19. Os pesquisadores concluíram que 25,2% dos jovens apresentavam sintomas de depressão nos meses subsequentes ao surgimento da doença.

"Os sintomas depressivos, que incluem sentimentos de tristeza, perda de interesse e prazer nas atividades, bem como interrupção das funções regulatórias, como sono e apetite, podem ser elevados durante a pandemia como resultado do isolamento social devido ao fechamento de escolas e requisitos de distanciamento físico", justificam os autores do estudo.

Em relação ao transtorno de ansiedade generalizada, a prevalência subiu de 11,6% para 20,5%.

"Os sintomas de ansiedade generalizada na juventude se manifestam como preocupação, medo e hiperexcitação incontroláveis. Incertezas, interrupções nas rotinas diárias e preocupações com a saúde e o bem-estar da família e entes queridos durante a pandemia de covid-19 estão provavelmente associadas a aumentos na ansiedade generalizada na juventude", acrescentam os pesquisadores.

Meninas sofrem mais que os meninos, aponta o estudo

Tanto para depressão quanto para ansiedade, os pesquisadores identificaram que as taxas de prevalência foram mais elevadas do que a média em adolescentes mais velhos e do sexo feminino.

O artigo sugere clara relação entre a pandemia "suas restrições e consequências associadas" a um "impacto considerável na juventude e em seu bem-estar psicológico".

"A perda de interações com os pares, o isolamento social e o contato reduzido com os suportes intermediários (por exemplo, professores, treinadores) podem ter precipitado esses aumentos [de prevalência]."

Além do retorno às aulas, os cientistas sugerem como "solução tangível" para as famílias o ajuste dos efeitos causados pela pandemia, como a implementação de rotinas relacionadas às tarefas escolares, horários para dormir e acordar, tempo para uso de dispositivos eletrônicos e atividades físicas.

*Com informações do Portal R7