Retirar as amígdalas pode trazer prejuízos para o sistema imunológico? Entenda

Saúde

Retirar as amígdalas pode trazer prejuízos para o sistema imunológico? Entenda

Elas tem uma função de defesa imunológica da via aérea e produzem anticorpos e glóbulos brancos para nos proteger de tudo que entra no nosso organismo pelo nariz e pela boca.

Bianca Santana Vailant

Redação Folha Vitória
Foto: Divulgação

Muitas pessoas têm dúvidas sobre a cirurgia para a retirada das amígdalas, isso porque sempre ouvimos falar que elas tem a função de defesa imunológica da via aérea. É o medo de perder essa proteção que faz com que surjam várias questionmentos relacionados a fazer ou não a cirurgia.

O otorrinolaringologista, Márcio César da Silva, desmistificou essa questão e  explicou que com a remoção das tonsilas palatinas - que são conhecidas como amigdalas - a deficiência imunológica local é compensada, em poucas semanas, por outros órgãos imunológicos da via aérea. 

“Além do mais, quando a remoção cirúrgica é indicada, as tonsilas palatinas já se encontram doentes e já não tem a mesma função de um órgão sadio. Mas obviamente, para a realização da cirurgia, deve haver indicação no quadro clínico do paciente. Pessoas que apresentam mais de sete infecções neste local em um único ano estão entre as pessoas que possuem indicação para retira-las”, disse o médico.

A cirurgia também é indicada quando as amígdalas acarretam algum prejuízo para o paciente como: 

- respiração ruim;

- sono de baixa qualidade;

- dificuldade de alimentação;

- dificuldade na fala.

“Quando o paciente apresenta infecções de repetição e que não respondem adequadamente ao tratamento clínico, ou quando elas aumentam de tamanho de forma que causam obstrução na via aérea, podendo desencadear problemas como o ronco e a apneia do sono a única maneira de resolver a questão é realizando a cirurgia. Existe também a possibilidade de remoção em alguns pacientes que desenvolvem halitose quando comprovadamente a causa está nas tonsilas palatinas (amígdalas)”, disse o médico.

É muito comum notarmos crianças pequenas, entre 4 e 8 anos fazendo esse tipo de cirurgia, mas o fato é que não existe idade certa para este tipo de operação, adultos e idosos também podem necessitar de realizar este procedimento. 

O que determina a indicação é a necessidade e as condições gerais de saúde do paciente para a sua realização.

O assunto é sério e merece a atenção devida, pois as amígdalas podem atuar como uma fonte de infecção que pode se espalhar, levando a complicações do coração, rins e ouvido médio.

Conheça os sinais que indicam que seu quadro merece atenção:

- Apresenta várias infecções nas amígdalas durante o ano

- Mau hálito

- Apneia do sono

- Ronco

- Dificuldade para ingerir alimentos secos.