• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Neurocirurgião esclarece sobre dores crônicas na coluna na terceira idade

Saúde

Neurocirurgião esclarece sobre dores crônicas na coluna na terceira idade

Processo degenerativo de envelhecimento começa, geralmente, afetando os discos invertebrais podendo mais tarde se tornar uma hérnia de disco

Foto: Divulgação

Na quinta-feira (01), é comemorado o Dia Nacional do Idoso. Uma das maiores queixas da terceira idade no consultório é em relação a dor crônica, que pode ser entendida como a dor que persiste por mais de 3 meses. Segundo o neurocirurgião Guilherme Rossoni, membro da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN), entre as dores crônicas mais recorrentes na terceira idade está a dor na coluna. “Assim como todo o nosso organismo, a coluna também envelhece e esse processo afeta todas as estruturas da coluna vertebral”, explica o médico.

O processo degenerativo de envelhecimento começa, geralmente, afetando os discos invertebrais podendo mais tarde se tornar uma hérnia de disco, que é uma das doenças mais comuns da coluna. A hérnia de disco acontece quando há o desgaste dos discos intervertebrais (que são em forma de anel) ou dos discos localizados entre as vértebras que formam a coluna espinhal. Esses discos são formados por tecido cartilaginoso e elástico, que têm a função de evitar o atrito entre uma vértebra e outra. A hérnia de disco ocorre quando há a “desgaste” desses discos, que saem da sua posição e atingem o canal vertebral, causando dor.

Outros problemas que podem afetar a coluna são a osteartrose que é um desgaste articular, além dos músculos e ligamentos serem prejudicados com a idade. “Os ligamentos e músculos da região abdominal sustentam a coluna e são responsáveis pela estabilidade dos movimentos. Com o envelhecimento há o enfraquecimento dessas estruturas podendo causar dor lombar”, esclarece o especialista.

O neurocirurgião adverte que a falta de atividades físicas acelera o processo de envelhecimento. Por isso, é tão importante se exercitar em qualquer idade da vida, mas principalmente quando se é idoso. “A prática regular de atividades físicas promove o fortalecimento da musculatura, melhora do equilíbrio e da estabilidade postural, reduzindo assim o risco de dor e de quedas. Exercícios físicos são importantes tanto para prevenir quando para tratar dores na coluna. Ginástica laboral, pilates, musculação, natação podem ser feitos desde que bem indicados e acompanhados por um profissional”, alerta.

Ele também ressalta que o envelhecimento das vértebras é, geralmente, causado por hábitos errados desde a juventude, como posturas inadequadas, maus hábitos alimentares, estresse, noites de sono mal dormidas, trabalhos pesados e repetitivos, entre outros.

Tratamentos

O neurocirurgião Guilherme Rossoni explica que muitos idosos não buscam ajuda médica para as dores da coluna, pois acreditam que o tratamento será sempre cirúrgico, invasivo e limitante. Porém, as técnicas estão cada vez mais modernas e as cirurgias, quando necessárias, são cada vez mais simples.

O bloqueio é um procedimento minimamente invasivo, que tem o objetivo de interromper os impulsos sensitivos que levam a informação de dor ao sistema nervoso central. “São realizadas infiltrações compostas por medicamentos como anestésicos, corticoides e anti-inflamatórios, sendo indicadas para alívio das dores na coluna cervical, lombar e torácica, bem como em dores em articulações ou irradiadas para os membros superiores e inferiores”, conta o médico.

A rizotomia por radiofrequência pode ser usada para a artrose da coluna. É minimamente invasiva, feita por meio de agulhas especiais introduzidas na pele, onde é realizada uma lesão térmica (cauterização) nos nervos dessas articulações inflamadas, responsáveis pela sensação de dor. O procedimento é feito com leve sedação e anestesia local e a alta hospitalar pode ocorrer poucas horas após o término da técnica. “O alívio pode ser imediato, com melhora completa por um período, que pode variar de 6 meses a 1 ano. Porém, é importante manter o tratamento clínico com fisioterapia e reabilitação física para fortalecimento muscular”.

Cirurgia Endoscópica da coluna

A cirurgia endoscópica da coluna é uma das mais modernas técnicas minimamente invasivas para tratamento da hérnia de disco. O procedimento é realizado através de aparelhos endoscópicos associados a câmeras. “O cirurgião consegue acessar e remover a hérnia de disco, além de descomprimir a região, causando um dano mínimo nas estruturas da coluna e na musculatura. Isto permite um pós-operatório com elevada taxa de sucesso, menos dor, alta hospitalar no mesmo dia e retorno precoce às atividades normais”, ressalta o médico, especialista na técnica pela World Spine Center.