Espírito Santo recebe 1,1 mil doses de lote da Coronavac interditado pela Anvisa

Geral

Espírito Santo recebe 1,1 mil doses de lote da Coronavac interditado pela Anvisa

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, oito cidades receberam 390 doses do total enviado ao ES

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a distribuição e também o uso de 12 milhões de doses da Coronavac, produzidas na China e enviadas ao governo do Brasil, neste sábado (04). Segundo a Agência, essas doses foram envasadas por um laboratório que não tem autorização da Agência para atuar no processo.

O Espírito Santo, segundo a Secretaria Estadual de Saúde recebeu 1.100 doses de um dos lotes interditados pelo órgão: L202106038.  Ao Todo, oito cidades receberam 390 doses do total enviado ao estado.

A secretaria informou ainda que as demais, ficaram na Rede de Frios Estadual e não foram encaminhadas uma vez que a validade é superior aos lotes recebidos anteriormente. Os municípios já estão informados e disse que aguarda novas orientação do Ministério da Saúde.

Segundo a Sesa, é importante ressaltar que não há risco referente as 500 mil doses adquiridas pelo Estado. Todas serão recebidas com a garantia de liberação da Anvisa.

Ainda ´por nota, a secretaria disse que: "acredita a situação será resolvida em breve, pois o próprio Instituto Butantan divulgou nota esclarecendo a situação e atestando o rigoroso controle de qualidade no processo de produção da vacina considerada o imunizante mais seguro à disposição do Programa Nacional de Imunizações(PNI) devido a sua plataforma de vírus inativado".

Entenda o caso:

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibiu a distribuição de mais de 12 milhões de doses da vacina Coronavac neste sábado (04). 

Trata-se de uma interdição cautelar de 25 lotes. Segundo o órgão, as vacinas contra a covid-19 teriam sido envasadas em uma planta de produção não inspecionada. 

Por isso, tanto a distribuição, quanto a aplicação das 12.113.934 doses dos lotes em questão estão proibidas por até 90 dias. Já as outras doses seguirão liberadas para o uso no Brasil.