• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

43% das mulheres brasileiras entre 18 e 40 anos tem anorgasmia

  • COMPARTILHE
Saúde

43% das mulheres brasileiras entre 18 e 40 anos tem anorgasmia

Trata-se de um quadro em que a mulher não consegue chegar ao orgasmo e nem sente prazer durante o ato sexual

Larissa Agnez

Redação Folha Vitória
Foto: Divulgação
Conhecer o próprio corpo e se tocar, são formas de melhorar a intimidade feminina. 

Um estudo sobre o perfil sexual da população brasileira comprovou que 43% das mulheres, com idade entre 18 e 40 anos, não conseguem chegar ao orgasmo durante a relação sexual. Nos consultórios ginecológicos as queixas do público feminino sobre não sentir prazer durante o sexo é algo muito comum. Um dos problemas detectados pelos especialistas é a falta de intimidade com o próprio corpo.

A ginecologista e obstetra, Lorena Baldotto comenta que sempre fala com suas pacientes sobre a importância de terem uma vida sexual ativa e conhecimento do próprio corpo. “Muitas não conseguem chegar ao orgasmo, até mesmo aquelas com independência aflorada”.

De acordo com a especialista o nome dado ao problema é anorgasmia. “Trata-se de um quadro em que a mulher não consegue chegar ao orgasmo em hipótese alguma, seja em uma relação com o parceiro ou com a masturbação, ela simplesmente não consegue sentir prazer. Muitas relatam não sentir nada em nenhum momento”, comentou.

Motivos

A especialista explica que existem diversos motivos que podem provocar a anorgasmia, um dos principais, são os fatores psicológicos, ansiedade, falta de conhecimento do corpo, os medos e tabus envolvendo o universo sexual feminino. Além disso, mesmo sendo raro, é possível que problemas físicos causem a situação, como estresse, traumas ou o uso de medicamentos e entorpecentes.

Lorena Baldotto comenta que caso a anorgasmia seja provocada devido problemas psicológicos, a terapia sexual pode ajudar a mulher a se descobrir e a lidar com a ansiedade que toda que essa situação gera. “Neste caso aconselho a paciente buscar acompanhamento com um bom profissional e não deixar de procurar ajuda, afinal, uma boa vida sexual é importante não só para seu bem-estar, mas também para sua saúde”, finalizou.