Número de empresas de serviços que relata demanda fraca bate recorde em julho

Economia

Número de empresas de serviços que relata demanda fraca bate recorde em julho

Redação Folha Vitória

Rio - O número de empresários do setor de serviços que reclamam de demanda insuficiente atingiu um recorde em julho. Mais de um terço apontou esse fator como uma limitação à melhora dos negócios - no setor de alojamento, mais de dois terços citaram o problema. Além disso, a quantidade de empresas que esperam redução na demanda nos próximos três meses aumentou e agora supera a fatia das que contam com vendas maiores no futuro.

A confiança de serviços recuou 2,9% este mês, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado, além de ter atingido o mínimo histórico da série (iniciada em junho de 2008), revela preocupação dos empresários em relação à demanda tanto no momento atual quanto nos próximos meses.

Em julho, 39,1% dos empresários apontaram que a demanda atual é insuficiente para expandir os negócios, um registro recorde. O setor de alojamento registrou quase o dobro de respostas, somando 67,4% do total. O custo financeiro também está na lista de preocupações das empresas de serviços.

Por outro lado, o indicador de volume de demanda atual ainda assim subiu 3,5% em julho ante junho. Também houve aumento de 6,0% no indicador de situação atual dos negócios. Com isso, o Índice de Situação Atual (ISA) de serviços avançou 4,8% este mês, após queda de 8,0% em junho.

Mas a perspectiva não é animadora. O indicador que capta a expectativa com a evolução da demanda nos três meses seguintes recuou 7,7% ante junho, e o que mede a expectativa com a evolução da situação dos negócios nos seis meses seguintes caiu 6,5%. Com isso, o Índice de Expectativas (IE) caiu 7,1% neste mês.

Segundo a FGV, a proporção de empresas esperando aumento da demanda nos próximos três meses passou de 24,0% no mês passado para 19,0% do total em junho. Enquanto isso, a parcela das que esperam redução aumentou de 17,4% para 20,6% no período.