• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Crise hídrica no Estado pode fazer preço do café subir até 25% nos próximos dias

Economia

Crise hídrica no Estado pode fazer preço do café subir até 25% nos próximos dias

O presidente do Sindicafé acredita que o aumento de preços das lavouras será repassado ao consumidor. “Os supermercados vão repassar, não tem como segurar se a indústria tem um acréscimo”

Café poderá chegar às prateleiras dos supermercados cerca de 25% mais caro Foto: ​Divulgação

A queda da vazão dos rios e a consequente escassez da água nas lavouras decorrentes da falta de chuvas no Estado irá impactar no preço de um dos mais tradicionais produtos nas casas capixabas. Segundo o Sindicato dos Torreifadores de Café (Sincafé-ES), o preço do café pode aumentar até 25% nos próximos dois meses.

“Estamos alinhando aumentos em torno de 15% e para os próximos 30 dias mais 10% depois, isso se permanecer sem chuvas. Acredito que já a partir desta semana que vai alterando devagar, mas o estoque deste ano já está comprometimento de uma forma geral”, contou o presidente do Sincafé, Egídio Malanquini.

Leia também: Crise hídrica prejudica lavouras e preço do café dispara no Espírito Santo

Ainda de acordo com o Sindicato, a crise hídrica provocou queda de 50% a 60% da safra desse ano. "Temos a expectativa do cultivo se recuperar na próxima safra, mas talvez isso não aconteça, porque a chuva não está chegando”, explicou Malanquini.

O presidente do Sindicafé acredita que o aumento de preços firmado pelos produtores será repassado ao consumidor. “Os supermercados vão repassar para o cliente final, não tem como segurar se a indústria tem um acréscimo”, afirmou.

Só não se sabe quando o produto ficará mais caro nas prateleiras do comércio capixaba. Segundo a Associação Capixaba de Supermercados (Acaps), “não dá pra saber quando nem quanto os preços vão subir porque cada supermercado faz a sua compra e tem a sua negociação com os fornecedores. O mercado é livre e não há controle”.