Justiça determina que criança abandonada na Serra deve ficar com a mãe

Geral

Justiça determina que criança abandonada na Serra deve ficar com a mãe

Segundo a juíza Gladys Pinheiro, laudos técnicos comprovam que a mãe está apta a ficar com o menino, de 2 anos

Criança foi abandonada em um ponto de ônibus na Serra, no último dia 18

A Justiça determinou que o menino de 2 anos, que foi deixado em um ponto de ônibus às margens da BR 101, na Serra, no último dia 18, deverá ficar com a mãe, uma argentina de 29 anos. A decisão foi tomada no início da noite desta quarta-feira (30) pela juíza Gladys Pinheiro, do Juizado da Infância e Juventude da Serra.

De acordo com a magistrada, laudos técnicos comprovam que a mãe está apta a ficar com a criança. Além disso, segundo a juíza, mãe e filho possuem forte vínculo afetivo. Gladys Pinheiro destacou ainda que ficou comprovado que, ao deixar o menino no ponto de ônibus, a mãe só queria protegê-lo e que ela é uma ótima mãe, o que foi confirmado pelo pai da criança.

O pai veio até o Brasil reivindicar a guarda, mas depois de participar da visita da criança com a genitora, concordou que o menino fique com a mãe. Ao pai, a juíza deferiu visitação ao filho e determinou que ele terá de pagar pensão alimentícia para o filho.

O caso

No dia 18 de maio, o menino foi abandonado pela mãe em um ponto de ônibus na Serra. A mulher foi localizada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) logo depois, em aparente surto, e conduzida para um hospital psiquiátrico, em Cariacica. Por meio de laudo psiquiátrico, a mulher teve alta hospitalar e dos medicamentos.

Na última quinta-feira (24), em depoimento à CPI dos Maus-Tratos, em Vitória, a mãe relatou que a criança era abusada pelo avô e também pelo tio, que moram em Itacaré, na Bahia. Durante a audiência, os dois foram presos.

Leia também:

- Avô de criança abandonada na BR-101 pede guarda provisória

- Justiça vai decidir sobre guarda de criança abandonada pela mãe na BR 101, na Serra

- Familiares de criança abandonada na BR-101 já estão no Estado e querem a guarda provisória