Encalhe em massa pode ter sido causa da morte de dezenas de arraias na praia de Camburi

Geral

Encalhe em massa pode ter sido causa da morte de dezenas de arraias na praia de Camburi

Ainda não se sabe quais foram as causas do fato. De acordo com o diretor do Instituto Orca, Lupércio Araújo, uma das possíveis causas pode ser um encalhamento em massa

Foram dezenas de arraias encontradas mortas na orla da praia de Camburi, em Vitória Foto: WhatsApp TV Vitória

Dezenas de arraias foram encontradas mortas na orla da praia de Camburi, em Vitória, na manhã desta terça-feira (21). A Polícia Civil deve investigar o fato para saber se o motivo dos animais mortos foi de ordem natural ou criminosa.

Ainda não se sabe quais foram as causas do fato. De acordo com o diretor do Instituto Orca, Lupércio Araújo, uma das possíveis causas pode ser um encalhamento em massa.

"Pelo que pude ver este é um fenômeno raríssimo. Me parece um encalhe em massa de arraias, como acontece com baleias e golfinhos. Com arraias, o fenômeno é muito raro e só se tem notícia de uma ocorrência em Israel, em 2003", afirma Araújo.

Lupércio não acredita na possibilidade de crime. "Não acredito que tenha sido um crime, até porque as arraias valem dinheiro, e se fossem pegas em redes de pescadores, eles não iriam deixar assim, ainda mais com esse número tão grande", completa.

Pelas imagens, não é possível ter uma certeza sobre qual é a espécie do animal, mas acredita-se que os animais sejam arraias-prego (Dasyatis Americana), espécie comum na Baía do Espírito Santo.

Para o oceanógrafo Bruno Berger Coelho, porém, o motivo das mortes dos animais pode ser uma prática ilegal comumente cometida por pescadores, à noite, em Camburi.

Como estavam algumas horas na praia, as arraias causaram mal cheiro e atraíram urubus Foto: WhatsApp TV Vitória

"O que acontece é algo muito grave, são arrastões de pesca de camarões, o que é ilegal, que anda acontecendo sempre em Camburi. Em muitas noites isto acontece e a gente sempre comunica a polícia e também com a prefeitura, para, pelo menos, o registro do fato", afirma.

Em nota, a Polícia Militar Ambiental (PMA) informou que uma equipe irá ao local nesta terça-feira (21) para verificar a situação e relatar os fatos em uma ocorrência que será entregue na Delegacia de Crimes Ambientais, para que assim a Polícia Civil investigue o caso.

A nota frisa que os crimes ambientais são fiscalizados em parceira entre a Polícia Ambiental com os órgãos ambientais municipais, além do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) e do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf).

Também em nota, o Iema informou que também enviou uma equipe para averiguar a denúncia de poluição no caso das arraias. A população pode registrar denúncias de crimes ambientais ao órgão pelo telefone 27 3636 2599.