Professora de biologia é acusada de estrangular quatro gatos em Piúma

Polícia

Professora de biologia é acusada de estrangular quatro gatos em Piúma

Uma professora de biologia do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) de Piúma foi acusada de estrangular quatro filhotes de gato recém-nascidos. De acordo com a denúncia de pais de alunos, a professora teria matado os animais dentro da instituição e na frente dos alunos.

O caso aconteceu no dia 29 de março. Como a mãe dos filhotes teria morrido após o nascimento, os alunos levaram os gatos para escola com a intenção de entregar para uma professora de sociologia. 

Revoltados, os pais de alguns alunos registraram uma ocorrência contra a professora na delegacia do município. Segundo o delegado Milton Sapino, eles relataram que os filhos estavam indignados com a ação da professora.

“Os responsáveis ficaram sabendo do ocorrido, pois os alunos contaram dentro de casa. Insatisfeitos com a postura da professora, eles registraram a ocorrência. A polícia abriu um procedimento para apurar o fato. Se for confirmado o crime, ela pode pegar pena de três meses a um ano”, explicou Sapino.

Ainda de acordo com o delegado, a professora e outras testemunhas já foram intimadas a prestaram depoimento na delegacia. Até a próxima quarta-feira (16) eles devem ser ouvidos.

“Foi um ato de natureza piedosa”
De acordo com a professora Sonia Rodrigues, todas as informações publicadas sobre ela não são verdadeiras. Ela afirma que em sua tese de doutorado a questão dos animais foi discutida. Sonia diz que questionou o uso de animais nas atividades de ensino e pesquisa. Ela também destacou que não utiliza animais nas aulas práticas.

“A motivação do meu ato foi essencialmente o sofrimento experimentado pelos gatinhos recém-nascidos, que não tinham chances de sobrevivência frente a sua saúde debilitada, à desidratação, à fome e à carência de cuidados maternos, uma vez que estavam abandonados sem que se tivesse conhecimento da localização da mãe. Foi um ato de natureza piedosa, ainda que controverso na concepção de algumas pessoas”, conta.

Em nota, o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) explicou que recebeu a denúncia de que a professora Sonia Rodrigues teria sacrificado os quatro gatos na área do campus, mas que não há relatos nem indícios de que o ato tenha sido presenciado por alunos, nem realizado durante atividades relacionadas a ensino, pesquisa e extensão. 

Ainda segundo eles, a Comissão de Ética do Instituto recomendou, nesta quinta-feira (10), a abertura de uma sindicância no campus Piúma para apurar os fatos, o que será feito de forma imediata. A sindicância implicará a tomada de todas as medidas administrativas cabíveis. A instituição ressalta que tem como base os princípios éticos no trato com animais e que se guia pelas recomendações dos conselhos e órgãos pertinentes em sua atuação.