Presos mais dois acusados de arrombar e furtar armas de delegacias em Vitória

Polícia

Presos mais dois acusados de arrombar e furtar armas de delegacias em Vitória

Os acusados foram apresentados, na manhã desta sexta-feira (12), junto com as armas levadas. Já em Goiabeiras houve tiroteio e um suspeito acabou detido

João Paulo foi um dos presos apresentado nesta sexta-feira Foto: TV Vitória

Oito pessoas, acusado de envolvimento em furtos nas delegacias da Grande Vitória, já foram detidas pelas polícias Militar e Civil. Entre os acusados estão dois menores e um policial. Na manhã desta sexta-feira (12) o sétimo e o oitavo envolvido foram apresentados pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp).

De acordo com o secretário de Segurança, André Garcia, João Paulo da Vitória, de 21 anos, e Mateus da Silva Froete, de 18 anos, teriam furtado as armas da Delegacia de Polícia (DP) de Goiabeiras, em Vitória. No bairro houve um tiroteio perto da fábrica das paneleiras, na última quinta-feira (11). Após este caso, um homem conhecido como Paulinho de Goiabeiras foi detido.

“As ações na região levaram a uma concentração maior dos policiais e, certamente, isso deve ter inquietado alguns indivíduos no local. Só que mais um caso de furto em delegacia foi solucionado, e o trabalho vem sendo realizado com muita determinação pelos nossos policiais”, afirmou o secretário. 

Arma por R$ 25 mil

O soldado da Polícia Militar, Paulo Vitor Alves de Jesus, preso na quarta-feira (10), com uma metralhadora ponto 40, furtada da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA). De acordo com as investigações, ele pretendia vender a arma pelo valor de R$ 25 mil

Arrombamentos

Somente a Delegacia da Mulher de Vitória foi arrombada duas vezes em pouco mais de 10 dias Foto: TV Vitória

Em apenas 11 dias, foram registrados seis casos de arrombamentos a unidades policiais no Espírito Santo. Dessas ocorrências, quatro foram em delegacias. Somente a Delegacia Especializada em Atendimento a Mulher (Deam) de Vitória foi alvo dos bandidos duas vezes.

Na segunda-feira (8), o alvo foi a DPCA, também na capital. Durante a madrugada, três armas de uso restrito da polícia e coletes à prova de bala foram levados. No dia 2 deste mês, três revólveres calibre 38 e uma submetralhadora foram levados da Delegacia de Goiabeiras, em Vitória. 

Já no dia 31 de maio, a invasão aconteceu a uma unidade da Polícia Militar. Na ocasião, 14 pistolas foram roubadas de dentro do 6º Batalhão, na Serra. Um dia antes, um homem tentou furtar uma televisão da sede do Batalhão da PM de São Mateus, no norte do Estado. 

Os seis casos dos últimos dias chamaram a atenção das autoridades, já que apenas um crime dessa natureza havia sido registrado nos últimos 12 meses.

Imagem suja

Para o coronel Ronalt William, ex-comandante geral da Polícia Militar, a participação de um militar no esquema de roubo de armas no Estado denigre a imagem da corporação. "Os policiais estão muito chateados com essa situação, porque mancha o nome da Polícia Militar do Espírito Santo. O policial que participa de crime é pior do que os outros bandidos. Porque a população espera que ele a defenda, mas ele faz o contrário", destacou.

Sobre os constantes episódios de arrombamentos a delegacias e os consequentes furtos de armas no Estado, Ronalt William ressaltou que a situação é reflexo de uma falha de gestão. Segundo o coronel, o governo deveria prever essa situação, uma vez que o número de armas em circulação tem se tornado cada vez menor, em função das constantes apreensões de arma.