Quadrilha de colombianos e equatorianos é presa suspeita de agiotagem no ES

Polícia

Quadrilha de colombianos e equatorianos é presa suspeita de agiotagem no ES

Ao todo, 13 pessoas foram detidas em Vila Velha durante a operação Cartagena

Foto: Vitor Moreno / TV Vitória

Mais de R$ 280 mil em notas promissórias foram encontrados em um apartamento do bairro Itaparica, em Vila Velha. O imóvel era de um dos 13 suspeitos de agiotagem presos nesta quinta-feira (10) durante a Operação Cartagena, realizada pela Polícia Civil. 

Aparelhos de celular, documentos de veículos, uma caderneta com anotações da movimentação financeira e centenas de cartões de visitas que ofereciam empréstimos também foram apreendidos. O material era utilizado por uma quadrilha de colombianos e equatorianos que ofereciam empréstimos a comerciantes e moradores do Espirito Santo com juros abusivos.

Dos 13 detidos, 12 eram imigrantes e um deles está no Brasil ilegalmente. De acordo com o secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Alexandre Ramalho, a organização criminosa internacional agia com violência na Grande Vitória e no interior do Estado.

"Era uma organização criminosa internacional para explorar pessoas humildes. No verso do cartão de visitas, estava descrito como funcionava o crime. Não conseguir pagar pela dívida deixava as pessoas fragilizadas e em cima dessa fragilidade, as pessoas atuavam. Também há investigações de tentativa de homicídio, tortura, transtorno psicológico, de recolher bens materiais", explicou. 

Dentre os detidos, havia uma mulher brasileira. As investigações apontam que ela seria responsável por abordar as pessoas e oferecer o empréstimo. A promessa era de dinheiro fácil e sem burocracia, mas a cobrança era feita diariamente. Quem não tinha o dinheiro para pagar, além da dívida ficar acumulada e com juros abusivos, sofria ameaças dos suspeitos.

Segundo o delegado titular do Departamento Especializado de Investigações Criminais, João Francisco, como há o envolvimento de estrangeiros no crime, a Polícia Federal também está ajudando nas investigações. O chefe da quadrilha estaria morando em outro país. "A mulher abordava as pessoas e informava que, caso ela não conseguisse pagar, podia renegociar. As investigações vão continuar", reforçou. 

A Operação Cartagena contou com cerca de 50 agentes e cumpriu mandados de busca, apreensão e prisão, em Vila Velha, Aracruz, no norte do estado, e Itaipava, distrito de Itapemirim, município do Sul do Espírito Santo. 

*Com informações do repórter Vitor Moreno, da TV Vitória/Record TV.