• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após seis meses sem a vacina, Linhares volta a receber doses da pentavalente

Saúde

Após seis meses sem a vacina, Linhares volta a receber doses da pentavalente

O município recebeu uma leva de 700 doses. Vacinas da tríplice bacteriana também chegaram

Foto: Divulgação/ Prefeitura de Vitória/ Diego Alves
Estoques de vários municípios do estado chegou a zero.

A Secretaria Municipal de Saúde de Linhares voltou a receber doses da pentavalente. As vacinas começaram a chegar nesta terça-feira (14), depois de o município ficar seis meses com o estoque zerado desse tipo de imunização.

As vacinas começam a ser distribuídas para as unidades de saúde de Linhares nesta quarta-feira (15). O município recebeu uma leva de 700 doses, que é a média de aplicação mensal da cidade.

“Para colocar em dia a situação vacinal de todas as crianças que tenham ficado sem tomar a dose nos últimos meses, é preciso que o Ministério da Saúde regularize a situação de desabastecimento e continuar mandando de forma regular a cota mensal para o município para que toda a população seja atendida”, explica a diretora de Vigilância Epidemiológica, da Secretaria Municipal de Saúde, Jackelene Ramos. 

A criança que não tomou uma ou mais doses previstas no calendário, independentemente da idade, diz a diretora, deve ser levada à unidade de saúde mais próxima para poder colocar em dia a carteira de vacinação.

A vacina é importante porque imuniza contra a difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e meningite por Haemophilus influenzae B. A pentavalente é recomendada para crianças em três doses: aos dois, quatro e seis meses de idade.

O Ministério da Saúde encaminhou ao governo do estado 18 mil doses da pentavalente. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) faz a distribuição das vacinas aos municípios capixabas.

Estoques zerados

Em julho, a Secretaria Municipal de Saúde suspendeu a vacinação da tríplice bacterina e da pentavalente porque o estoque dessas vacinas chegou a zero. O problema também afetou outros municípios do estado, já que o Ministério da Saúde tinha enviado cotas reduzidas das vacinas à Sesa, responsável pela distribuição de doses aos municípios.

Na semana passada, começaram a chegar doses da tríplice bacteriana, encaminhadas pelo Ministério da Saúde. Também chamada de DTP, a vacina é aplicada em crianças em dois momentos: 1 ano e 3 meses e, depois, com 4 anos. A dose protege contra difteria, tétano e coqueluche.