Afinal, o que é Pancreatite? Entenda a doença que afetou o capixaba Jonatha Ventura, do Flamengo

Saúde

Afinal, o que é Pancreatite? Entenda a doença que afetou o capixaba Jonatha Ventura, do Flamengo

Gastroenterologista explica quais são os tipos de casos, como é o tratamento e quais os principais fatores de causa

Foto: Reprodução

O zagueiro capixaba do Flamengo, Jonatha Ventura, de 15 anos, chegou ao quadro de pancreatite aguda devido à ingestão de algum medicamento durante a recuperação. Ele é uma das vítimas do incêndio que atingiu o alojamento das categorias de base no centro de treinamento Ninho do Urubu, no Rio de Janeiro, na madrugada do dia 8 de fevereiro.

Quem explica a situação de Jonatha Ventura é a gastroenterologista Mariana Pacheco. Ao Folha Vitória, a médica afirma que o caso do jogador da base rubro-negra é brando.

“O quadro dele é de pancreatite aguda. Existem antibióticos, alguns antivirais, diuréticos, medicamentos que são causadores de pancreatite. Pelo tempo de hospitalização (56 dias internado), acredito que ele deve ter tomado algum tipo de medicamento desses, que aí só a equipe vai saber", disse Mariana Pacheco.

Foto: Reprodução / Instagram
O zagueiro Juan e o meia Diego foram visitar Jonatha no início da recuperação do capixaba

Em casos como o de Jonatha Ventura, a médica esclarece quais são os procedimentos: "Provavelmente foi diagnosticado pela dor abdominal dele. E aí é feito jejum. Depois, a gente dosa no sangue do paciente duas enzimas que se chamam lipase e amilase. Num quadro leve, costuma em cinco dias evoluir bem, começar a se alimentar e o pâncreas desinflamar."

O que é pancreatite?

"É o nome que a gente dá à inflamação do pâncreas. Existem duas formas principais: a pancreatite aguda e a pancreatite crônica. A pancreatite aguda é aquela inflamação que acontece geralmente de uma forma rápida, sem o paciente apresentar nenhum sintoma antes. E a crônica é aquela que o pâncreas vai progressivamente sendo destruído e as células pancreáticas normais sendo substituídas principalmente por células de fibrose, e que depois de uma certa percentagem que o pâncreas está destruído que você vai ter os sintomas."

Quais são os sintomas?

"O principal sintoma das duas é dor abdominal. Na aguda, a dor abdominal é mais intensa geralmente na parte de cima da barriga e às vezes irradia, vai para trás, associado à vômito e à náusea. Dependendo da gravidade da pancreatite, podem causar necrose e infecção do pâncreas. A dor da crônica geralmente é uma dor que ocorre depois da alimentação, como cólica, mais também na parte superior da barriga e pode estar associada à outros sintomas, por conta da própria deficiência do pâncreas."

Que tipo de deficiência?

"Tem algumas deficiências vitamínicas, o paciente acaba emagrecendo. Você tem presença de gordura nas fezes, porque o pâncreas é responsável pela produção de algumas enzimas que ajudam a degradar os alimentos. E um dos alimentos que essas enzimas agem é a gordura. Então, se você tem essa deficiência na pancreatite crônica, das enzimas do pâncreas, você não consegue absorver gordura e elas acabam saindo nas fezes.”

Foto: Divulgação
O consumo excessivo de álcool pode causar a pancreatite, principalmente a crônica

O que causa a pancreatite?

"A principal causa de pancreatite aguda são as famosas pedras na vesícula, que dependendo do tamanho podem sair e migrar, chegando na saída do ducto do pâncreas, onde saem essas enzimas que vão para o intestino, e elas obstruem e causam essa inflamação. Existem outras causas, como medicamentos (caso de Jonatha Ventura), o excesso de triglicerídeos no corpo, algumas infecções por vírus também causam, e a principal causa de pancreatite crônica é o álcool. Quem bebe muito acaba tendo essa destruição do pâncreas ao longo do tempo."

Como é o tratamento?

“Varia de uma para a outra. Na pancreatite aguda, você deixa o paciente em jejum, porque toda vez que ele come, essas enzimas do pâncreas são acionadas e ele acaba sentindo dor. Você faz bastante hidratação nesse paciente, na veia, e dá analgésico, remédio para dor.  A evolução, o tempo que vai ficar em jejum, se vai precisar de antibiótico ou procedimento cirúrgico, vai depender da gravidade. Já a pancreatite crônica a gente trata dando essa enzima que o paciente está em falta, pela boca."