• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Esclerose múltipla acomete duas vezes mais mulheres que homens

Saúde

Esclerose múltipla acomete duas vezes mais mulheres que homens

Doença atinge pessoas entre 20 e 40 anos, afetando 35 mil brasileiros. Veja os sintomas

Foto: Divulgação

Transtornos na fala, perda de memória ou problemas de coordenação motora são sinais comuns de algumas doenças que afetam o sistema nervoso central. Uma das enfermidades mais conhecidas é o Alzheimer, que com a piora dos sintomas apresenta um comprometimento progressivo das atividades diárias. Porém, existe outro distúrbio, não tão conhecido, mas que, segundo estimativa da Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM), afeta cerca de 35 mil brasileiros: a esclerose múltipla (EM). 

Você conhece essa doença? O médico Fábio Armentano, esclarece mitos e verdades sobre a esclerose múltipla.

- Pacientes com esclerose múltipla não devem tomar a vacina contra a Influenza.

MITO. A Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe, promovida todos os anos pelo Ministério da Saúde (MS), visa imunizar a população contra os vírus influenza, que em 2019 matou mais de 1,1 mil pessoas no Brasil. Esse ano a vacinação será feita em três fases, e em cada uma delas, alguns grupos terão prioridade. Os pacientes com doenças crônicas, como a esclerose múltipla, estão entre essa população. "De maneira geral, pacientes com esclerose múltipla devem, sim, receber a vacina contra a gripe. Só não devem ser imunizados aqueles que apresentam alergia grave a algum componente da vacina," explica Armentano.

Ele reforça que essa vacina não protege contra a covid-19. "Ainda não existe uma vacina contra o novo coronavírus. Mas, é importante que todos sejam imunizados, pois essa vacina, além de proteger as pessoas contra a influenza, também vai ajudar os profissionais de saúde na triagem de casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus", completa.

- Durante a pandemia, pacientes com esclerose múltipla não devem modificar seu tratamento sem orientação médica.

VERDADE. Em geral, pacientes crônicos não devem parar ou modificar um tratamento sem conversar com um especialista. "A recomendação é que a pessoa diagnosticada com esclerose múltipla que apresentar os sintomas da covid-19, ou qualquer outro sintoma, procure um médico para que juntos possam avaliar e ajustar o tratamento, se necessário", explica Armentano.

- A esclerose múltipla não tem cura.

VERDADE. A esclerose múltipla é uma doença crônica, ainda sem cura. Chegar a um diagnóstico o mais rápido possível é a chave para controlar a EM ainda em estágios iniciais. "Com o diagnóstico da EM é imprescindível que o paciente inicie o tratamento. Hoje em dia, a abordagem terapêutica inclui Medicamentos Modificadores do Curso da Doenças (MMDCs), que ajudam a reduzir a frequência e a gravidade das crises, independentemente do paciente apresentar uma forma muito ou pouco agressiva da doença", esclarece Armentano. No Brasil, esse tipo de terapia já está disponível na rede pública e privada de saúde. Fábio diz ainda que, tratar os sintomas também é importante para o paciente com EM. "É possível tratar os sintomas isoladamente, e garantir assim uma melhor qualidade de vida", completa o neurologista.

- A causa da esclerose múltipla é desconhecida.

VERDADE. As informações conhecidas sobre a EM é que é uma doença autoimune que faz com que o sistema imunológico do paciente ataque seu próprio sistema nervoso central, provocando uma série de sintomas, como formigamento nos membros inferiores, espasmos, problemas de coordenação motora, transtornos visuais, cognitivos e emocionais, entre outros.

- Mulheres com esclerose múltipla não podem engravidar.

MITO. Considerando que a esclerose múltipla atinge jovem adultos, entre 20 e 40 anos, e em sua maioria mulheres, a gravidez se torna causa de preocupação. Entretanto, Armentano esclarece que pacientes com EM podem engravidar. "Estudos mostram que durante a gestação existe uma estabilização da doença, que chega a diminuir em 70% no número de crises, se comparado ao período anterior", comenta o médico neurologista.