• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Molécula do sistema imunológico agrava efeitos da dengue

Saúde

Molécula do sistema imunológico agrava efeitos da dengue

Pesquisadores acreditam que reação pode ser "chave" na busca por tratamentos mais eficazes contra a doença.

Foto: Divulgação
Febre alta > 38.5ºC, dores musculares intensas, dor ao movimentar os olhos, mal estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo, são os principais sintomas da doença. 

Pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM)publicaram um estudo, que revela detalhes importantes e curiosos sobre como nosso sistema imunológico reage ao constatar a presença do vírus da dengue.

O estudo mostra que a molécula Interleucina-33 (IL-33), reconhecida por alertar o sistema imunológico para ações que precisam ser desencadeadas para o combate de várias doenças, especificamente no caso da dengue, gera uma reação “exagerada” de células pró-inflamatórias, que acabam por agravar os sintomas, sobrecarregar os mecanismos de defesa e consequentemente enfraquecem o corpo e dificultam a recuperação do paciente.

Foto: Divulgação

Molécula 

A IL-33 é uma molécula solúvel que circula pelo corpo. Quando entra em contato com a molécula ST-2, que atua como receptor na superfície das células, desencadeia efeitos biológicos que podem ser considerados positivos ou negativos.

A molécula IL-33 é uma importante sinalizadora de doenças cardiovasculares, diabetes do tipo 2 e infecções de parasitas como a Leishmaniose e Toxoplasmose e essa reação “exagerada”, que sobrecarrega o sistema imunológico, já foi observada também em doenças como asma, artrite reumatoide e Doença de Crohn, uma inflamação crônica que causa dores abdominais e diarreias.

O estudo publicado na revista internacional Immunology descreve testes com camundongos geneticamente modificados, sem os receptores ST-2 da molécula IL-33, que tiveram sintomas amenizados e, segundo o pesquisador Rafael Elias Marques, do Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), abre caminho para desenvolvimento de fármacos capazes de bloquear a recepção dessa molécula e tratar com mais eficiência e rapidez a doença.

O que é dengue?

O vírus da dengue é um arbovírus. Arbovírus são vírus transmitidos por picadas de insetos, especialmente os mosquitos. Existem quatro tipos de vírus de dengue (sorotipos 1, 2, 3 e 4). Cada pessoa pode ter os 4 sorotipos da doença, mas a infecção por um sorotipo gera imunidade permanente para ele.

O transmissor (vetor) da dengue é o mosquito Aedes aegypti, que precisa de água parada para se proliferar. O período do ano com maior transmissão são os meses mais chuvosos de cada região, mas é importante manter a higiene e evitar água parada todos os dias, porque os ovos do mosquito podem sobreviver por um ano até encontrar as melhores condições para se desenvolver.