OMS: cárie é a segunda doença mais comum em todo o mundo

Saúde

OMS: cárie é a segunda doença mais comum em todo o mundo

Quando não há uma higienização local correta, a região se torna propícia para adoecer. Dor no local é um sintoma comum do problema

Foto: divulgação/freepik

Ao longo da vida, é quase inevitável não vivenciar a dor de dente, tendo ela diversos fatores desencadeantes. Dependendo dos motivos de sua causa, o incômodo pode afastar o trabalhador de suas atividades regulares por vários dias. Nesse contexto, o dentista José Mauro Pedrassolli, explica sobre esse tipo de dor e suas principais causas.

"A dor de dente é uma sensação que se manifesta quando algo de errado ocorre em nosso organismo através de estímulos nervosos. Essa sensação é individual e subjetiva, ou seja, para cada um ela vai se manifestar de forma diferente", disse Pedrassolli. 

Segundo ele, na maioria das vezes, esse tipo de dor é proveniente da presença de cárie dental, que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é a segunda doença mais comum em todo o mundo, perdendo apenas para o resfriado.

A cárie se forma porque na flora bucal há bactérias que participam do início da digestão do alimento na boca e transformam o açúcar em ácido, havendo um processo de desmineralização do dente. Quando não há uma higienização local correta, a região se torna propícia para adoecer. Muitas vezes ela passa imperceptível, porque pode não haver dor.

A segunda causa mais comum da dor de dente, de acordo com o dentista, é a doença periodontal, que afetam as estruturas de sustentação dos dentes, como gengiva, ligamentos periodontais e perda óssea. A patologia (dor de dente), também é caracterizada pela má escovação ou higienização dos dentes. Outro fator importante é a fratura dental, provocada por quedas, brigas, acidentes, fragilidade do dente que já passou por reparação ou tratamento. Além desta, há diversas outras causas da dor de dente, como a má oclusão dentária (contato dos dentes superiores com os inferiores ao fechar a boca), infiltração por cárie, raiz de dente exposta quando a gengiva está retraída e também erupção dos dentes 3º molares - os famosos sisos.

Outro fator pouco conhecido que pode desencadear a sensação é a sinusite. "Ao lado do nariz, há várias cavidades ósseas, chamadas de seio maxilar. Como a sinusite é uma inflamação das mucosas nessa região, quando a inflamação se manifesta muito próxima das raízes dos dentes superiores, pode desencadear dor nesse local", explica o dentista.

Segundo o dr. Pedrassolli, se houver possibilidade, deve-se consultar o especialista, pois há maior chance de se fazer o diagnóstico e evitar futuras complicações. "Muitas vezes a pessoa faz uso da automedicação, o que é equivocado, pois ela alivia a dor, mas pode mascarar um futuro diagnóstico. Uma dor de dente não tratada, desde que exista infecção dental, pode levar a complicações sistêmicas através do sangue que chegam a outros órgãos do corpo", alerta.

Como prevenção, recomendam-se consultas periódicas no dentista mesmo que não haja dor. Os períodos médios indicados para a realização de check-ups são de seis em seis meses, e, havendo maiores complicações, de três em três meses. No dia a dia, a recomendação é uma boa higienização, que contempla uma escovação correta, sem força, idealmente quatro vezes ao dia: após o café da manha, almoço, jantar e, principalmente, antes de dormir.

"O uso de creme dental com flúor, fio ou fita dental e antisséptico bucal são de extrema importância. O flúor produz uma camada protetora quando usado continuamente, por isso, seu uso rotineiro é fundamental", indica o dentista.