Inverno pode agravar a pandemia no país, diz Fiocruz

Saúde

Inverno pode agravar a pandemia no país, diz Fiocruz

Segundo boletim, a idade média dos casos internados foi de 52,5 anos nas últimas semanas contra 62,3 anteriormente

Foto: Divulgação

O quadro da pandemia no Brasil, que se aproxima de meio milhão de mortes, permanece crítico. De acordo com dados da Fiocruz, de 30 de maio a 12 de junho, houve um pequeno crescimento das taxas de incidência (casos novos) e de mortalidade, com a manutenção de um platô elevado de transmissão da covid-19. 

Os números por si só já preocupam, mas pesquisadores alertam que, com a entrada do inverno, há possibilidade de agravamento da pandemia no país nas próximas semanas.

As taxas de ocupação de leitos de UTI covid-19 para adultos no SUS (Sistema Único de Saúde) mostram que o quadro geral ainda é preocupante. Dezoito estados e o Distrito Federal apresentam taxas de ocupação de pelo menos 80%, sendo que em oito deles as taxas de ocupação são iguais ou superiores a 90%.

Em relação às capitais, 16 delas estão com taxas de ocupação de pelo menos 80% e 9 com taxas iguais ou superiores a 90%.

A análise mostra também que a tendência do rejuvenescimento da pandemia se mantém. A idade média dos casos internados foi de 52,5 anos nas últimas semanas contra 62,3 anos anteriormente. 

A mediana de idade nas internações − ou seja, a idade que delimita a concentração de 50% dos casos − passou para 52 anos. Para óbitos, os valores médios foram 71,4 anos para 61,2 anos. Valores de mediana de óbitos foram, respectivamente, 73 e 59 anos.

“Possivelmente o cenário atual de rejuvenescimento prosseguirá e poderá perpetuar um cenário obscuro de óbitos altos até que este grupo etário esteja devidamente coberto pela vacina. O padrão de transmissão no país ainda é extremamente crítico”, afirmam os pesquisadores.

*Com informações do Portal R7