É fome ou vontade de comer? Saiba a diferença entre fome orgânica e emocional

Saúde

É fome ou vontade de comer? Saiba a diferença entre fome orgânica e emocional

Aprender a diferenciar é essencial no processo de emagrecimento, porque nem toda fome significa que o corpo esteja realmente precisando ser nutrido

Foto: Divulgação-web

Está comendo mais do que antes? Tem o hábito de recorrer à comida ao se sentir triste ou alegre? Costuma procurar petiscos após um pequeno intervalo da última refeição? 

Para a especialista em obesidade, Edivana Poltronieri, as respostas para essas perguntas podem detectar a motivação para a fome que a pessoa está sentindo, se é comportamental, emocional ou física. “A nossa rotina é, geralmente, regida por hábitos e emoções que influenciam muito a nossa alimentação. Esses fatores têm conexão direta com o que comemos e a frequência com que fazemos isso. Entender cada caso pode ajudar a detectar o tipo de fome e a controlar os impulsos”, explica Poltronieri.

Entenda as 3 principais motivações para a fome

Comportamental - É a fome guiada por hábitos. "O corpo não sente a necessidade de comer, mas o cérebro manda uma mensagem, programada por nossos hábitos, de que está na hora de se alimentar, mesmo se a última refeição aconteceu em pouco tempo”, explicou a especialista. 

Para este caso, Poltronieri diz que a solução é estabelecer novos hábitos. “Não é fácil, mas é possível. O cérebro se acostuma com tudo o que é imposto a ele. Por exemplo, se o emprego exige que a gente passe a acordar em um horário que não estamos acostumados, nos primeiros dias talvez precisemos da ajuda de um despertador, mas logo passaremos a despertar sozinhos. Isso acontece porque reeducamos o corpo. Com a alimentação não é diferente. A adaptação é desafiadora, mas o corpo logo vai processar de forma natural o novo hábito”.

Emocional - “A fome surge em picos de tristeza ou alegria. A comida pode servir de consolo ou de recompensa. Esse descontrole não tem relação com os hábitos, mas com impulsos. O corpo não está com fome, mas a pessoa precisa comer, e geralmente é sempre alimentos bem gordurosos, para se sentir aliviada emocionalmente. Porém, logo depois, chega o sentimento de culpa e esse ciclo, a longo prazo, faz com que a pessoa crie uma relação negativa com a comida”, explicou a especialista. 

Física - Surge por sinais físicos, como estômago roncando. Nesse tipo de fome, a pessoa entende quando é o momento de parar e consegue avaliar com calma as opções que têm no cardápio. Não é a fome movida por impulsos, mas sim por satisfação. 

Fomes na quarentena

De acordo com a especialista em obesidade, após três meses de confinamento é normal o surgimento de novos hábitos alimentares, saudáveis ou não. “Ansiedade e estresses já estavam entre as doenças do século antes do confinamento, mas foram agravadas durante este período. Por termos acesso a comida com mais facilidade, fica mais difícil controlar a fome emocional”, explica. 

Poltronieri também aconselha sobre os serviços de delivery. “Os aplicativos de comida são práticos, mas podem nos deixar mais suscetíveis a alimentos processados e calóricos. Por isso, eu indico que seja feita uma programação para as refeições da semana, como almoço e jantar. Deixar as refeições prontas e congeladas diminui as chances de maus hábitos alimentares”.

Outra dica é controlar a quantidade do que se come. “Frutas, por exemplo, são ótimas opções de sobremesa, mas podem ter o efeito contrário quando consumidos em excesso, considerando que algumas delas tem altos índices de açúcares. Policiar a quantidade de frutas e também de oleaginosas é importante, pois são alimentos calóricos e que as pessoas petiscam sem prestar atenção na quantidade", finaliza Edivana Poltronieri.