Testes mais acessíveis podem melhorar o mapeamento dos casos de coronavírus no ES

Saúde

Testes mais acessíveis podem melhorar o mapeamento dos casos de coronavírus no ES

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), é necessário a testagem da população para enfrentar a disseminação da covid-19

Larissa Agnez

Redação Folha Vitória
Foto: Teste de Anticorpos Totais da Siemens

O Espírito Santo está há quatro meses em isolamento social e, por enquanto, sem previsão para sair. Até o momento, o Estado tem confirmado mais de 50 mil casos do novo coronavírus, e quanto mais o n´úmero de pessoas infectadas aumenta, maior a preocupação de flexibilizar a quarentena. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a reabertura total do comércio pode gerar uma nova onda de casos da doença.

Para que a flexibilização ocorra de forma segura, conforme a OMS, é necessário a testagem em massa da população, só assim é possível enfrentar a disseminação do novo coronavírus (Sars-CoV-2), causador da covid-19. Contudo, a acessibilidade ao exame é um dos problemas enfrentados pelos estados brasileiros. No Espírito Santo, testes rápidos são aplicados para tentar mapear a situação das regiões em relação a covid-19.

Contudo, o Conselho Federal de Medicina (CFM) destaca que o teste rápido não é tão eficaz devido o alto índice de resultados "falso-negativos". O CFM explicou que para os resultados sejam seguros é necessário que existam registros da rastreabilidade dos exames, capacidade dos operadores, validação de reagentes, controle de qualidade e detalhamento de informações constantes em laudos. No Estado, exames sorológicos estão disponíveis em laboratórios particulares, mas os valores variam de R$ 250 a R$ 350.

A boa notícia, é que a partir deste mês de julho, os capixabas poderão ter acesso ao método indicado pelo CFM, por meio de dois testes sorológicos, feitos em um único exame, por um preço acessível, R$ 100. O teste realizado no Laboratório Tommasi, permite que o exame seja feito em pessoas assintomáticas, ou seja, aquelas que acham que já tiveram contato com o vírus, mas não desenvolveram sintomas, e também, quem acha que teve contato com o vírus e apresentou sinais leves da doença. Dessa forma, o exame permite identificar quem possui o anticorpo do coronavírus no organismo. 

O diretor científico do Tommasi, Bruno Tommasi, explicou que o laboratório uniu-se a duas grandes empresas de diagnóstico do mundo, Abbott e Siemens, e criou o IgG Social, um Programa de Triagem Populacional em Busca da Imunidade Comunitária. A diferença deste teste sorológico para os testes rápidos, é que ele utiliza o protocolo do Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC-US), que garante maior confiabilidade de resultados.

"Entendemos que precisávamos ajudar nesse momento, por isso criamos o IgG Social. Nesta primeira fase estamos disponibilizando 15 mil testes, o método de diagnóstico ofertado são os teste sorológicos, com confiabilidade de até 99,06%. Um exame muito seguro, por um valor acessível de 100 reais", afirmou Tommasi.

O farmacêutico do Tommasi, José Robson Venturim, ressaltou que o exame que estão disponibilizando faz uma comparação entre dois resultados. "Após abril e maio, as grandes empresas desenvolvedoras de diagnósticos começaram a desenvolver seus métodos baseados em detecção de antígenos e anticorpos com maior sensibilidade. O método que oferecemos é altamente confiável, o resultado é obtido por meio da análise dos exames sorológicos em sequência (testes ortogonais), de fabricantes distintos, e contra proteínas (antígenos) diferentes do vírus", explicou o farmacêutico.

A médica pneumologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Jéssica Polese, afirma que o teste sorológico é muito importante para o Estado controlar a situação. "A sorologia é um apoio para o inquérito epidemiológico. Por meio desses testes é possível mapear as áreas contaminadas, identificar quem já teve o vírus da covid-19".

O bancário Rodrigo Feitosa Carvalho, 43 anos, que é portador de fibrose cística, desde março trabalha via home office e sai apenas para ir ao supermercado e farmácia, evitando ao máximo o contato com pessoas desconhecidas. Contudo, há algum tempo tem o interesse de realizar o exame, pois mora com a irmã que trabalha em hospitais da Grande Vitória.

Foto: arquivo pessoal

"Eu estou no grupo de risco, apesar dos cuidados que estamos tomando dentro de casa, tenho o interesse de saber se já tive algum contato com esse vírus. Mas, os preços em laboratórios estavam absurdos. Soube por uma amiga dessa oportunidade de realizar o exame por um preço mais acessível. Entrei no site deles e vi a possibilidade de agendar o teste em uma unidade do laboratório em Vitória, foi bem rápido, agora é aguardar o exame e o resultado", disse Carvalho.

A pneumologista Jéssica Polese alerta que as pessoas que testarem positivo para "quem já teve contato com o vírus" não podem achar que vão voltar a vida normal, elas devem permanecer tomando todos os cuidados recomendados pelas organizações de saúde. 

"É muito importante que as pessoas que positivarem no exame, entendam que precisam continuar  em isolamento social, usar máscara, lavar as mãos com água e sabão. Também é imprescindível a utilização de álcool em gel 70% e evitar contato com desconhecidos. Os cuidados devem permanecer, é muito importante para a saúde da pessoa e dos demais". 

Como é realizado?

A sorologia oferecida no laboratório é feita através de uma coleta de sangue de forma simples (como qualquer outra) e levado à análise clínica de moléculas biológicas como DNA e anticorpos.

O farmacêutico Venturim ressaltou que as pessoas que tem o interesse em fazer o teste podem ficar tranquilas, pois o laboratório está adotando medidas de segurança para evitar a contaminação do coronavírus. O atendimento nas unidades será mediante agendamento para evitar aglomerações.

"A capacidade do exame não dar um resultado falso positivo é superior a 99,06%. Então estamos falando de um teste confiável, que pode colaborar muito, na detecção de pessoas que tenham a presença de anticorpos e consequentemente compreender a parcela da sociedade que tem a imunidade ou vírus, por um preço muito mais acessível", afirmou o farmacêutico. 

Mapeamento das regiões

O diretor cientifico Bruno Tommasi, ressalta que com esse exame vai ser possível ajudar a mapear as principais regiões contaminadas do Espírito Santo. "Com dados seguros, podemos iniciar um processo de redução do isolamento social. Com essa estratégia e parceiros, teremos segurança nos resultados e dados populacionais verdadeiros que irão possibilitar ações governamentais seguras".

Sobre o teste

Os exames que detectam anticorpos para a presença de doenças infeciosas são chamados de teste sorológicos. Para covid-19, existem testes que detectam a presença de anticorpos contra o vírus. Esses exames são diferentes do RT-PCR, que é o exame realizado para pesquisa do RNA viral, que detecta a evidência da existência do vírus ativo.

De acordo com o farmacêutico Venturim, o teste sorológico aplicado pelo laboratório, envolve o Teste de Anticorpos Totais da Siemens (voltado para a proteína Spike da covid-19) e o Teste de Anticorpos IgG da Abbott (voltado para a proteína do Nuclecapsidio viral).

"No método Siemens, o teste identifica a proteína Spike, que é responsável por entrar nas células do corpo humano, causando a infecção. Com o método Abbott descobrimos anticorpos que detectam a proteína N, que é a proteína do núcleo viral. Ambos detectam anticorpos contra o vírus da covid-19. Porém, essa detecção é de anticorpos para vírus diferentes. Isso permite auxiliar esses dois testes em um único laudo laboratorial, ampliar a capacidade de detecção e melhorar consideravelmente a especificidade do método. Só serão considerados resultados positivos, aqueles que forem positivos nos dois métodos", explicou Venturim.

Confira no áudio mais informações sobre o teste

Teste RT-PRC