Saúde

Multivitamínicos podem melhorar a memória? Novo estudo revela

Pesquisa indica que multivitamínicos diários podem beneficiar a cognição em adultos acima de 60 anos, mas especialistas alertam para uso cauteloso

Redação Folha Vitória

Foto: Reprodução/Freepik @jcomp

Um novo estudo sugere que adultos com 60 anos ou mais que tomaram um multivitamínico diário por dois anos tiveram melhor desempenho em testes cognitivos e de memória do que aqueles que tomaram placebo. Mas será que todos devem aderir a esses suplementos?

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

Benefícios potenciais dos multivitamínicos

Os resultados foram publicados no The American Journal of Clinical Nutrition e indicam que os multivitamínicos podem ser uma abordagem segura e acessível para proteger a saúde cognitiva em adultos mais velhos. Segundo Chirag Vyas, epidemiologista psiquiátrico da Mass General Brigham, os suplementos mostraram um pequeno, mas significativo, ganho nas pontuações dos testes cognitivos.

Detalhes do estudo COSMOS

A pesquisa faz parte do estudo COSMOS (COcoa Supplement and Multivitamin Outcomes Study), que envolveu mais de 21 mil adultos mais velhos. O estudo específico sobre cognição analisou um subconjunto de 573 participantes, comparando os resultados de quem tomou multivitamínicos com aqueles que tomaram placebo.

LEIA TAMBÉM: Refrigerante zero x suco natural: qual é melhor para emagrecer?

Resultados e interpretação

Nos testes, tanto o grupo do multivitamínico quanto o do placebo melhoraram suas pontuações ao longo de dois anos. No entanto, o grupo do multivitamínico apresentou um ganho ligeiramente maior. Os pesquisadores estimam que esse aumento de memória equivale a uma redução de dois anos no envelhecimento do cérebro.

Especialistas pedem cautela

Especialistas não envolvidos no estudo, como Mary Butler da Universidade de Minnesota e Hussein Yassine da University of Southern California, destacam que os benefícios observados são modestos. Eles enfatizam que não há evidências suficientes para recomendar multivitamínicos a todos os idosos.

Necessidade de mais pesquisas

JoAnn Manson, professor de medicina da Universidade de Harvard, e um dos co-investigadores principais do estudo, concorda que são necessárias mais pesquisas, especialmente em grupos com maior diversidade racial, étnica e socioeconômica.

Quem pode se beneficiar?

Pieter Cohen, internista da Cambridge Health Alliance, sugere que os multivitamínicos podem ser úteis para pessoas com doenças que afetam a absorção de nutrientes. No entanto, a maioria das pessoas saudáveis não precisa deles. Cohen também questiona a interpretação de que os multivitamínicos podem retardar o envelhecimento cognitivo.

*Com informações do Estadão Conteúdo.

Este conteúdo foi produzido com o auxílio de ferramenta de Inteligência Artificial e revisado por editor do jornal.
Pontos moeda