Mulheres resgatam autoestima com procedimentos estéticos na região íntima

Saúde

Mulheres resgatam autoestima com procedimentos estéticos na região íntima

Diversas causas podem fazer a vagina perder sua arquitetura natural, deixando os músculos e os tecidos vaginais relaxados, esticados ou ainda de tamanho aumentado, como os desequilíbrios hormonais, dietas, esportes radicais e o parto natural

Foto: Divulgação

Vários são os motivos que levam mulheres de todas as idades a procurar por procedimentos estéticos na região íntima. Entre os principais destacam-se a flacidez, o excesso de pele, a assimetria nos pequenos lábios vaginais e até mesmo para tratar incontinência urinária de repetição e o desconforto na relação sexual.

Diversas causas podem fazer a vagina perder sua arquitetura natural, deixando os músculos e os tecidos vaginais relaxados, esticados ou ainda de tamanho aumentado, como os desequilíbrios hormonais, dietas, esportes radicais e o parto natural. Há também as alterações decorrentes da idade, como pele flácida e queda da pele sobre o clitóris.

“Entre as queixas, o acúmulo de gordura na região genital, outras com perda de tônus e murcha, que permitem várias possibilidade de colocar e retirar gordura e tecidos, remodelar os tecidos, além do clareamento da região, com utilização de laser, para dar um aspecto jovem, o que ajuda a melhorar a vida íntima do casal e a autoestima da mulher”, explica o cirurgião plástico e médico especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Humberto Pinto.

O Brasil e os Estados Unidos são países líderes mundiais na realização de cirurgias íntimas de acordo com o Relatório da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica (Isaps) divulgado em 2014. Em 2016, 25 mil brasileiras procuraram a cirurgia plástica íntima para corrigir “imperfeições” que as incomodavam, dizem os dados da Isaps.

O cirurgião plástico Humberto Pinto, confirma que o número de mulheres que procura o consultório para fazer uma cirurgia íntima tem aumentado ano após ano. “O consumo de anabolizantes tem ligação direta com o crescimento do clitóris. E isso tem levado muitas mulheres ao consultório em busca de uma cirurgia íntima”, afirma o médico.

O procedimento de rejuvenescimento vaginal ou vaginoplastia tem duração de uma a duas horas e é realizado através de uma incisão nos pequenos lábios vaginais removendo os excessos e melhorando a assimetria entre eles. Também pode ser realizada a retirada ou colocação de gordura no monte de Vênus de acordo com a necessidade de cada paciente. A cirurgia é realizada sob anestesia local e sedação e a paciente recebe alta no mesmo dia.

Procedimentos com lasers

O uso dos lasers é indicado para tratamentos internos e externos na região vaginal. A dermatologista Karina Mazzini esclarece que o clareamento é um dos procedimentos mais desejados com foco no rejuvenescimento vaginal. “O envelhecimento na região provoca ressecamento, flacidez, escurecimento de pele, perda de volume externo e até mesmo o estreitamento do canal vaginal. O laser Erbiun é usado para estimular a produção de colágeno, tirar manchas e melhorar a aparência da área”, pondera a dermatologista Karina Mazzini.

O laser também é um aliado para tratar o desconforto na relação sexual e até para incontinência urinária. “Internamente, o laser atua na troca do tecido flácido por um novo, o que fortalece a musculatura, ajuda a reduzir a continência urinária e melhora a libido, devolvendo a autoestima para muitas mulheres”, diz Karina.

Indicado para mulheres de qualquer idade, o procedimento é indolor, rápido e é realizado no consultório médico. “Com poucas restrições após o procedimento, pode ser feito em qualquer época do ano”, diz a dermatologista Karina.

Para tratar as mudanças nas partes íntimas, decorrentes de fatores como desordens hormonais, gestação e parto, variação de peso e envelhecimento natural, a dermatologista Irene Baldi indica o Femilift, que utiliza o laser de CO2.

“O procedimento é rápido, indolor, não requer anestesia, é realizado em consultório médico e a paciente não necessita de afastamento das atividades habituais. Os resultados já começam a aparecer poucos dias após a primeira sessão”, afirma a dermatologista.

Além da vantagem estética, o Femilift também é muito procurado para tratar a incontinência urinária de esforço, que liberação involuntária de pequenas quantidades de urina quando ao rir, chorar ou faz exercícios, por exemplo. “É um procedimento que estimula a regeneração do colágeno e contração da vagina”, explica Irene.