Dormir mal pode prejudicar a eficácia da vacina contra covid-19

Saúde

Dormir mal pode prejudicar a eficácia da vacina contra covid-19

Pesquisas apontam que dormir pouco pode afetar diretamente a eficácia da vacina contra a covid-19, visto que a falta de uma boa noite de sono pode prejudicar a produção de anticorpos do organismo

Bianca Santana Vailant

Redação Folha Vitória
Foto: Freepik

Uma pesquisa realizada pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, concluiu que pessoas que dormem menos de cinco horas por dia possuem cinco vezes mais risco de contrair resfriados, o que pode tornar o corpo mais vulnerável a outras infecções. 

Nesse contexto, a Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz) explica que uma noite mal dormida causa efeito parecido com uma embriaguez e, consequentemente, prejudica a coordenação motora, a capacidade de raciocínio e o poder do organismo de produzir anticorpos contra vírus, como o da Covid-19.

De acordo com a médica pneumologista e especialista em medicina do sono, Jéssica Polese, pesquisas já comprovam que o sono é fundamental para garantir uma alta imunidade. 

"Já está muito bem documentado que a privação de sono, como no caso de pessoas que dormem menos que 5 horas por noite, atrapalha o sistema imune. A gente precisa dormir para ter um sistema imune funcionando de maneira adequada, tanto para reagir às infecções quanto ao antígeno da vacina", explicou a especialista. 

Jéssica ainda explicou o impacto que as noites mal dormidas têm na imunidade. "Podemos pensar, por exemplo, naquelas pessoas que viajam para o carnaval, passam vários dias sem dormir bem, e depois voltam gripados. Também tem o caso de pessoas que estão passando por muito estresse, estão dormindo mal e por isso também tem mais chances de ficar doentes", acrescentou. 

Respeitar as horas de sono é fundamental na pandemia

A preocupação aumenta quando consideramos a pandemia da covid-19. Com o sistema imune debilitado, aumentam as chances de contaminação pela doença, que pode se desenvolver de forma grave. 

"Estudos mostraram que naquelas pessoas que não dormiram bem antes da vacina, ela tinha menos efeito. A gente diz que a resposta imunológica era menor. Acontece que se você não dorme, atrapalha a produção de anticorpos e prejudica a eficiência das vacinas", reforçou Jéssica Polese. 

A oncologista Carolina Conopca explica que é fundamental respeitar todas as fases do sono para preservar o bom funcionamento do organismo das pessoas que foram vacinadas e das que ainda aguardam a imunização. 

“O sono possui 5 estágios, o primeiro é a fase do adormecimento, o segundo é o sono leve, o terceiro é o sono mais profundo, o quarto é o momento em que o corpo repõe as energias do desgaste diário e o quinto acontece quando a atividade cerebral acelera e é possível ter formações de sonhos e o corpo está totalmente adormecido. Nesse sentido, ter uma noite de descanso que contemple todos esses estágios pode ajudar na prevenção de diversas doenças e reforçar a eficácia das vacinas contra o coronavírus”, comenta.

Hábitos para melhorar o sono

Estudo realizado pelo Instituto do Sono aponta que a privação de sono pode reduzir pela metade a produção de anticorpos que combatem doenças infectocontagiosas. Nesse sentido, a especialista alerta para a importância de adotar hábitos que ajudam a melhorar a qualidade do sono. 

“É recomendado um repouso entre 7 e 8 horas por noite, para isso, é preciso criar uma rotina de hábitos que estimulem o corpo a pegar no sono. Alimentação in natura - refeições mais naturais e orgânicas, praticar exercícios físicos, desligar-se de aparelhos eletrônicos antes de dormir e evitar o consumo de bebidas alcoólicas durante a noite podem ser algumas alternativas para dormir melhor e garantir bom funcionamento do sistema imunológico”, explica Carolina.

A especialista em medicina do sono, Jéssica Polese, afirma que muitas pessoas acreditam que dormir é sinônimo de desperdiçar tempo. "As pessoas pensam que estão perdendo um tempo em que poderiam estar fazendo outras coisas, quando na verdade estão ganhando qualidade de vida", destacou. 

Veja abaixo algumas dicas da médica Jéssica Polese para melhorar a qualidade das noites de sono: 

- Manter um ambiente silencioso;

- Temperatura adequada, que normalmente é em torno de 3 graus mais baixa que o ambiente;

- Estar atento à luminosidade do local. Às vezes as pessoas acordam muito cedo, porque deixaram uma janela, ou porque ficam com a luz acesa até muito tarde. 

- Evitar o uso de produtos eletrônicos como televisão ou um ponto luminoso, principalmente. Isso atrapalha porque fica estimulando a retina mesmo que a pessoa esteja com os olhos fechados;