Capixaba Leonardo Seabra é campeão da Ultramaratona dos Anjos na categoria Survivor

A fé o conduziu ao Caminho dos Anjos. “Faltou luz, mas era dia”. Eram 6 horas da manhã de sábado, ainda estava escuro nas montanhas de Minas Gerais e Leonardo Seabra estava correndo há quase 24 horas. Com a solidão que só um ultramaratonista survivor é capaz de sentir, Léo liga a câmera e grava um vídeo que – sem mostrar uma só imagem – define em áudio a essência da ultramaratona.

O ultramaratonista Leonardo Seabra venceu, no último final de semana, a Ultramaratona dos Anjos Internacional (UAI), com percurso de 235km nas montanhas de Minas Gerais, na categoria survivor (modalidade em que o atleta corre sem carro de apoio), e conquista mais uma inédita e importante marca para o estado do Espírito Santo.

“A lua ficou comigo a noite toda, graças a Deus! A lanterna quebrou, a outra bateria sumiu, só o celular mesmo serviu de lanterna a noite inteira. Seis horas da manhã! Vai bater 24 horas. Ultramaratona é isso aí. Maior solidão, cara, sozinho… Caraca, tem duas horas que não vejo ninguém passando. Não vejo ninguém. É isso aí, vou desligar o telefone pra guardar mais tarde”.

A vitória acontece um ano e seis meses depois de Seabra ter se tornado o capixaba mais rápido a concluir os 217km da BR 135, considerada a corrida a pé mais difícil do Brasil e uma das mais duras do planeta, com 10 mil metros de subidas e descidas acumuladas no trecho mais difícil do Caminho da Fé, na cadeia de montanhas da Serra da Mantiqueira.

Com 38 anos, o guarda-vidas, morador de Vila Velha, concluiu os 235km com o tempo de aproximadamente 34h55min. Além de conquistar o primeiro lugar na categoria survivor, Leonardo Seabra ficou em terceiro na categoria Geral. “Sou atleta amador, trabalhador e para competir preciso me dedicar aos treinos e driblar a rotina. Saio de madrugada ou à noite pra correr, vou para a Região Serrana treinar morro. Faço o que posso para dar o meu melhor e trago, mais uma vez, um título inédito para o Espírito Santo. Meu objetivo é dar orgulho para a minha família e para todos que torcem por mim”, comemora Léo Seabra.

O atleta relata os obstáculos que enfrentou ao percorrer a Estrada Real e que conseguiu driblar para alcançar o título de campeão da ultramaratona considerada “a mais dura do país”. “Confesso que eu não esperava liderar a prova. Largamos no frio e quando estava correndo a primeira serra estava muito quente. Na tarde do segundo dia fiquei desidratado. Tive que driblar náuseas, vômitos e até febre. Consegui reverter me hidratando bastante e tomando soro. Quando já tinha percorrido 180km de prova, passei por um dos pontos de controle e me disseram que eu era o terceiro atleta geral e primeiro survivor a passar. Não acreditei. Quando faltavam 50km para o final, encontrei o Goés, que estava em segundo lugar,  e seguimos junto até a chegada”, conta Seabra.

Daniela Künsch

(1462Publicações)

Daniela Künsch é jornalista desde 2002, editora chefe do jornal Folha Vitória e corredora amadora. Depois de chegar aos 133 quilos, perdeu 65, e encontrou na corrida força e inspiração para não voltar à obesidade.