• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Fazenda: orçamento da UFRJ, que cuida do Museu Nacional, subiu 15% de 2015 a 2017

  • COMPARTILHE
Economia

Fazenda: orçamento da UFRJ, que cuida do Museu Nacional, subiu 15% de 2015 a 2017

"É preciso enfatizar as discussões relacionadas às prioridades dos gastos públicos e alocação dos recursos", comentou a secretária-executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi

Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, Rio de Janeiro

A secretária-executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi, disse que o orçamento federal destinado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) aumentou 15% entre 2015 a 2017, em termos nominais, ao comentar sobre o incêndio que destruiu o Museu Nacional no domingo, 2, no Rio de Janeiro. A UFRJ administra o Museu.

"É preciso enfatizar as discussões relacionadas às prioridades dos gastos públicos e alocação dos recursos", comentou também em conversa com jornalistas após participar do Congresso Brasileiro de Mercado de Capitais, em São Paulo, promovido pela Anbima e B3.

Ana Paula citou ainda que o orçamento enviado na sexta-feira relativo à educação como um todo cresceu em R$ 10 bilhões, somando R$ 122 bilhões, para o ano que vem. "Temos no Brasil situação ímpar onde saúde e educação são protegidos constitucionalmente, porque tem garantia de aplicação mínima", disse ainda.

A secretária reiterou que o orçamento do ano que vem foi desenhado de forma conservadora e prudencial, para permitir que o próximo governo dê sequencia ao ajuste fiscal. "Enviamos orçamento muito prudencial e conservador em termos das projeções, que contém medidas adicionais que poderão ajudar a abrir espaço para o orçamento no ano que vem, como a postergação do reajuste dos servidores e projeto de lei que trata da tributação dos fundos exclusivos", afirmou.

Ana Paula afirmou ainda que o orçamento do ano que vem contempla, do ponto de vista de concessões, as receitas recorrentes das concessões já realizadas e pagamentos parcelados e a capitalização da Eletrobras, por meio da venda das usinas.