• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Autora do livro 'Como matar seu marido' é suspeita de matar marido

  • COMPARTILHE
Polícia

Autora do livro 'Como matar seu marido' é suspeita de matar marido

Caso aconteceu em Portland. A polícia negou-se a responder perguntas sobre evidências que justificaram a prisão de Nancy Brophy

Nancy Crampton Brophy, 68, autora dos livros "Como matar seu marido" e "O Marido Errado" entre outros, foi presa por ser suspeita de matar o marido, Daniel Brophy, com um tiro de acordo com o Departamento de Polícia de Portland.

Nancy foi denunciada na última quinta-feira (6) e, segundo a imprensa norte-americana, os registros do tribunal mostraram que a autora não tem direito a fiança.

A autora compartilhava momentos do casal em seu blog e em um post de 2011, ela teria escrito: "Meu marido e eu estamos em nosso segundo (e último — confie em mim!) casamento. Nós prometemos, antes de dizer 'eu aceito' que não vamos terminar em divórcio. Nós não, devo observar, descartamos um trágico tiroteio ou um acidente suspeito."

O caso intrigou a polícia desde o princípio.

O chef de cozinha Daniel Brophy, 63, foi morto a tiros no Oregon Culinary Institute no dia 2 de junho e foi encontrado por alunos do instituto. Até então, a polícia não tinha nenhum suspeito.

"Estou lutando para entender isso agora", afirmou Nancy em um post em seu perfil no Facebook no dia seguinte à morte do marido. 

De acordo com o jornal, os vizinhos sentiram que algo parecia estar errado em relação a Nancy semanas após o ocorrido.

Don McConnell, vizinho da autora há seis anos, disse aos jornais que conversou com Nancy algum tempo depois para saber qual teria sido a motivação do crime e perguntou se os policiais ainda estavam em contato com ela.A autora teria respondido que ela era a suspeita do assassinato do marido.

No dia 6 de setembro, os promotores e o advogado de defesa disseram que a autora foi apresentada perante um juiz para ouvir as acusações contra ela.

A polícia se recusou a responder a perguntas sobre as evidências que justificaram a prisão da autora ou o que levou a polícia a suspeitar dela.