• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Com Richa preso, procurador diz que Lava Jato é 'apartidária'

  • COMPARTILHE
Política

Com Richa preso, procurador diz que Lava Jato é 'apartidária'

Com o ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) preso sob suspeita de corrupção, alvo de duas operações deflagradas nesta terça-feira, 11, o procurador regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima afirmou que a Operação Lava Jato é "apartidária" e que foro privilegiado é obstáculo para responsabilização de políticos.

"Nós não temos essa preocupação (com o partido do alvo), a Lava Jato é uma investigação apartidária. Sempre foi. Nós já tínhamos chegado a pessoas de diversos partidos", disse Carlos Lima, em entrevista à imprensa concedida pela força-tarefa da Lava Jato, sobre a 53ª fase da operação, batizada de Operação Piloto - referência ao codinome de Richa nas planilhas da propina da Odebrecht.

O ex-governador que deixou o cargo no início do ano para concorrer a uma vaga do Senado pelo Paraná é o alvo central da operação desta terça, da Lava Jato, que apura propina de R$ 4 milhões da Odebrecht paga em 2014 pelo contrato de concessão da rodovia PR-323.

A Piloto foi deflagrada no mesmo dia em que o Ministério Público Estadual também deflagrou a Operação Patrulha Rural e prendeu Richa, sua mulher, Fernanda Richa, e o irmão do ex-governador José Carlos Richa, o Pepe Richa.

Para o procurador, as apurações contra Richa e as medidas cautelares contra ele e aliados têm relação com os andamentos das investigações na primeira instância, após o tucano perder o foro privilegiado.

"Infelizmente, o foro privilegiado é um obstáculo às investigações é um obstáculo para punir muitas pessoas de outros partidos. Nesse caso, por uma série de circunstâncias, inclusive pela perda do foro do ex-governador, pudemos dar continuidade no primeiro grau", disse Carlos Lima.

Para o procurador, "isso mostra que a colaboração premiada e a leniência da Odebrecht e uma investigação bem feita no primeiro grau podem dar resultado". A afirmação serve de crítica a apurações contra políticos com foro privilegiado decorrentes da delação da Odebrecht que tem sido arquivadas nas cortes superiores.

"Nesse caso é um político do PSDB, mas não escolhemos esses alvos, são as investigações que vão nos levando", afirmou.