• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Estudos comprovam que dormir depois do sexo faz bem para a saúde

  • COMPARTILHE
Saúde

Estudos comprovam que dormir depois do sexo faz bem para a saúde

Atividade sexual libera hormônios responsáveis pela sensação de relaxamento

Mais de 60% das pessoas dormem melhor após o sexo. 

6 de setembro é considerado o dia do Sexo. E a atividade sexual vai além de prazer, ela faz bem para a saúde, principalmente, a mental. E não podemos esquecer que para manter um bom condicionamento na "hora H", é preciso estar tranquilo, relaxado e com o sono em dia. E por falar em sono, ele vem a ser o "protagonista" da relação. Muitas pessoas, principalmente os homens, sentem sono após o sexo. 

A boa notícia é que a prática pode ajudar a ter noites ainda melhores. De acordo com estudo da Universidade Central Queensland, na Austrália, a relação sexual antes de deitar pode proporcionar um sono relaxante. Cerca de 64% dos participantes relataram dormir melhor depois de fazerem sexo e atingirem o orgasmo.

A diferença está no processo de relaxamento do corpo feminino e masculino. Nas mulheres, o orgasmo eleva os níveis de estrogênio, melhorando o sono REM, estágio profundo e restaurador do sono, na qual ocorrem os sonhos. Já nos homens, o orgasmo é responsável por liberar uma substância chamada prolactina, associada à qualidade do sono, permitindo que a pessoa tenha uma noite mais revigorante.

Segundo a Consultora do Sono, Renata Federighi, cochilar após a atividade sexual proporciona benefícios ao casal. “Após o ato, ambos ficam mais relaxados, o que contribui para uma boa noite de sono e faz com que o organismo recupere a energia gasta durante a relação”, explica.

Além disso, dormir de conchinha após o sexo também é uma posição muito praticada pelos casais. “A postura diminui o nível de cortisol no sangue, hormônio responsável pelo estresse. A razão, segundo pesquisas, é porque ao dormir com alguém a pessoa se sente mais segura e o corpo não vê a necessidade dessa substância”, completa a especialista.