• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Juros do BoE podem subir mais que o esperado pelos mercados, diz Carney

Economia

Juros do BoE podem subir mais que o esperado pelos mercados, diz Carney

Londres - O presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Mark Carney, disse hoje que a taxa básica de juros britânica poderá ter de subir mais do que os mercados esperam nos próximos três anos. O BC inglês prevê que a inflação avançará para sua meta anual de 2,0% em até dois anos, mas deverá ultrapassar essa marca a partir do final de 2017.

Carney, que falou durante coletiva de imprensa que se seguiu à decisão do BoE de manter sua taxa básica de juros inalterada na mínima histórica de 0,5%, comentou que "a curva do mercado não prevê uma volta sustentável para a meta" de inflação, o que sugere que o BoE terá de ir além das expectativas de mercado, que são de uma taxa de juros de 1% até o fim de 2016 e de 1,5% até o final de 2017.

Segundo Carney, "o provável momento para a primeira elevação da taxa (básica) está se aproximando". Ele destacou, no entanto, que o momento exato do primeiro ajuste não pode ser previsto porque será "resultado de ocorrências econômicas". "Resumindo, (a alta dos juros) dependerá dos dados (futuros)", disse.

Carney também reiterou que futuros aumentos de juros serão limitados e graduais e ficarão abaixo das médias vistas no passado.

O chefe do BoE comentou ainda que a situação da China, que vive uma desaceleração econômica, e da Grécia, que tenta negociar um acordo de ajuda definitivo com seus credores internacionais, não pesam na decisão de juros do BC inglês, mas ressaltou que a tendência de valorização da libra tem, sem dúvida, influenciado a política monetária britânica.

Carney se mostrou tranquilo em relação aos movimentos recentes dos mercados financeiros que, em sua opinião, não podem ser classificados como "turbulência". Ele disse também que os sinais de aceleração na produtividade do Reino Unido são "uma notícia muito boa para a recuperação". Fonte: Dow Jones Newswires.