• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

BC da China diz que não há razão para desvalorizar yuan

Economia

BC da China diz que não há razão para desvalorizar yuan

Pequim - A China manterá sua moeda em patamar "razoável" e não vê necessidade de depreciá-la, afirmou uma autoridade do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) nesta terça-feira. O vice-presidente do PBoC, Yi Gang, falou horas após o Fundo Monetário Internacional (FMI) acrescentar o yuan à cesta de moedas utilizada pela instituição nos empréstimos emergenciais para complementar as reservas dos países-membros, os chamados Direitos Especiais de Saques (SDR, na sigla em inglês). A entrada da divisa se dará a partir de outubro de 2016.

O anúncio do FMI gerou especulações de que a China deixaria a moeda desvalorizar. Em entrevista à imprensa, Yi afirmou que o banco central não vê motivo para depreciação, apontando para a força econômica chinesa e as amplas reservas em moeda estrangeira do país.

"Se o temor é que o yuan se depreciaria fortemente após sua inclusão no SDR, não há necessidade para isso", disse Yi. Segundo ele, o objetivo de longo prazo de Pequim é deixar o yuan flutuar, parando de intervir no câmbio para controlar o valor da moeda. Por ora, o PBoC continuará com as intervenções apenas para conter as flutuações excessivas, afirmou Yi.

"Será um processo gradual", disse ele. "É importante para manter o yuan em um nível adequado e equilibrado."

O vice-presidente do PBoC não quis especificar em que nível estaria esse patamar de equilíbrio. Segundo ele, isso deve ser determinado pelas forças do mercado.

A China depreciou o yuan em agosto. De acordo com autoridades chinesas, a medida era parte de um esforço para deixar a divisa flutuar segundo as forças do mercado.

Com a decisão do FMI, o yuan passará a fazer parte da cesta de moedas que inclui o dólar, o euro, a libra e o iene. A medida, ainda que em grande medida simbólica, é vista como um impulso potencial para que a China continue a caminhar para afrouxar os controles de seu sistema financeiro. Fonte: Dow Jones Newswires.