• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Artistas e autoridades lamentam a morte de David Bowie

Entretenimento

Artistas e autoridades lamentam a morte de David Bowie

Londres - Artistas, autoridades e outras personalidades pelo mundo lamentaram a morte de David Bowie. O cantor faleceu no domingo, aos 69 anos, após uma batalha contra o câncer. O anúncio foi feito em comunicado divulgado na mídia social oficial do músico, no início desta segunda-feira.

"Eu estou arrasada! Este grande Artista mudou minha vida!", afirmou a cantora Madonna em uma rede social. Segundo ela, foi de David Bowie o primeiro show que ela viu em Detroit, uma das cidades onde a cantora passou a infância e a adolescência. O cantor Iggy Pop também lamentou: "David Bowie foi a luz da minha vida. Eu nunca conheci ninguém tão brilhante. Ele era o melhor."

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, lembrou que, para alguém da idade dele (49 anos), o artista foi o responsável por produzir uma boa parte "da trilha sonora de nossas vidas". "Gênio é uma palavra muito usada mas eu acho que musicalmente, criativamente, artisticamente David Bowie era um gênio", disse Cameron. O ex-premiê Tony Blair lembrou que quando era estudante foi a um show no qual Bowie encarnava o personagem Ziggy Stardust. Blair disse que a partir daquele momento "eu pensava que ele era um artista brilhante e um ser humano estimulante e interessante". O prefeito de Londres, Boris Johnson, engrossou o coro dos que qualificaram Bowie como gênio. "Ninguém em nossa época mereceu mais ser chamado de gênio."

Em missão na Estação Espacial Internacional, o astronauta Tim Peake também enviou mensagem lamentando o fato. "Triste em ouvir que David Bowie perdeu sua batalha contra o câncer - a música dele era uma inspiração para muitos", disse. O rapper Kanye West e o cantor Phareel Williams também lamentaram, destacando a criatividade de Bowie. O comediante Ricky Gervais disse que havia perdido um herói.

Com uma imprevisível mescla de estilos, ritmos e personas, o magro e erudito Bowie abriu espaço para a teatralidade e a androginia na música popular internacional, mudando o sentido da expressão estrela do rock. A cada álbum ou show, os fãs não sabiam o que esperar. Bowie fez seu último aniversário na sexta-feira, mesmo dia em que lançou o novo álbum, "Blackstar". Ele também divulgou um clipe no mesmo dia da canção "Lazarus", onde se mostrava frágil e deitado em uma cama, com os olhos enfaixados.

Músico, produtor e escritor, Bowie nasceu David Jones em Londres, em 1947. Era capaz de citar o filósofo Friedrich Nietzsche e uma antiga canção pop em sequência. Também foi uma das primeiras estrelas do rock a dar uma atenção crucial à função de performer no palco. Anos antes da MTV, usava vídeos não apenas para promoção, mas também para criar narrativas e expandir os temas implícitos nas suas canções. Mick Jagger, Lou Reed e Freddie Mercury estavam entre os vários artistas que colaboraram e foram influenciados por ele. Bowie foi uma figura central no chamado "Glam Rock", em meados dos anos 1970, e influenciou a era disco e artistas como Madonna e outros, muito orientados também para o aspecto visual.

"O que me dá mais orgulho é que não posso deixar de notar que eu afetei o vocabulário da música pop. Para mim, francamente, como artista, essa é a coisa que mais dá satisfação ao meu ego", disse ele em entrevista em 2002. Fonte: Associated Press.