• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Aranha diz que não vai se sentir feliz no banco do Palmeiras

  • COMPARTILHE
Esportes

Aranha diz que não vai se sentir feliz no banco do Palmeiras

São Paulo - Uma das contratações mais discutidas dentre as 18 realizadas pelo Palmeiras foi a do goleiro Aranha. O fato de Fernando Prass mostrar segurança no gol fez com que muitos torcedores desconfiassem do acerto com o ex-santista, que chega ao clube com contrato válido por um ano e admitindo que não pretende ficar apenas no banco de reservas.

"Tenho que ser bem sincero. Não é uma situação das mais felizes de ser titular e ir para a reserva. Você faz todo o trabalho e, na hora do filé, tem que ficar assistindo. Mas tem que respeitar a decisão do treinador. Já joguei em time de quinta divisão e não olhava para o time grande pensando que seria titular. Vou trabalhar para fazer o meu melhor", disse o goleiro, que ficará com a camisa 25, que era de Fernando Prass.

Para Aranha, embora tenha acabado de chegar ao clube, ele acredita que pode ter vantagem para conseguir achar seu espaço no time mais rapidamente. "Com o Oswaldo (de Oliveira, técnico), Oscar (Rodrigues, preparador de goleiros) e Luiz Alberto (auxiliar técnico) não começo do zero. Eles me conhecem atuando dos tempos de Santos", afirmou o goleiro de 34 anos.

Sobre uma possível disputa com Prass, o experiente goleiro minimiza a situação e disse que será preciso muita atenção dos goleiros para isso não se tornar um problema. "Uma coisa que precisa mudar é de tratar o futebol como se o adversário fosse inimigo. Como cheguei agora, o Prass chegou no passado. Isso é normal. Sei que vocês (jornalistas) vão dar uma forçada até sair uma vírgula, por isso, temos que ficar atentos", explicou.

Fisicamente, Aranha ainda vai precisar de um certo tempo para ter condições de jogo. Ele não participou da pré-temporada com o Santos, pois entrou na Justiça contra o clube e, em seguida, fez um acordo para sair de forma amigável. Apesar da falta de ritmo, ele disse estar pronto para ajudar quando Oswaldo precisar.

"Se quiser me colocar na quinta, estou aí. Mas aqui o pessoal faz um trabalho sério para evitar lesões. De repente, você não conta com o jogador por uma semana e conta com ele o ano todo. Ou acelera um processo e perde ele por meses", explicou, deixando claro que, apesar do discurso, prefere ainda ser preparado para ter êxito em uma sequência de partidas.

O Palmeiras volta a campo nesta quinta-feira para enfrentar a Ponte Preta, às 19h30, no Allianz Parque, pela segunda rodada do Campeonato Paulista.