• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Dunga diz que Tardelli precisará se sacrificar mais após aceitar jogar na China

  • COMPARTILHE
Esportes

Dunga diz que Tardelli precisará se sacrificar mais após aceitar jogar na China

Dunga afirmou que a lista está aberta para jogadores que estão migrando para centros não muito tradicionais e ressaltou que esses atletas vão precisar se sacrificar mais que os outros

Tardelli assinou com Shandong Luneng em janeiro Foto: Divulgação

Rio - Diego Tardelli foi o primeiro brasileiro em atividade na China a ser convocado para a seleção. Na manhã desta quinta-feira, o técnico Dunga afirmou que a lista está aberta para os jogadores que estão migrando para centros de futebol não muito tradicionais. Contudo, ressaltou que esses atletas vão precisar se sacrificar mais que os outros e terão de conviver com outros níveis de cobrança. A primeira convocação do ano visa aos amistosos contra França e Chile nos dias 26 e 29 de março, respectivamente.

O treinador também revelou que teve uma conversa com Tardelli antes de o atacante se transferir do Atlético-MG para o Shandong Luneng. "Só disse que quando tomasse a decisão seria necessário conversar com o clube. Dizer que tem que fazer muitas horas de voos quando convocado. Que vai ter que vir um ou dois dias antes para descansar, porque os jogos são muito competitivos", alertou.

Everton Costa, que foi para os Emirados Árabes, e Ricardo Goulart, que também seguiu para a China, ficaram fora da lista, e Dunga justificou as ausências dos dois da seguinte forma: "Eles estão em pré-temporada. Chamar três jogadores que estão começando é difícil, porque não estão com condicionamento ideal. Então optamos por um (Tardelli), que já era titular. Vamos enfrentar seleções que já estão em ritmo de competição. E vamos precisar de jogadores assim".

Para Dunga, cada vez mais jogadores de destaque do Brasil vão se transferir para novos polos, diferentes da Europa. "É uma situação do futebol globalizado e, principalmente, uma situação econômica. Ouvi dizer que o brasileiro que está indo para o futebol asiático é desvalorizado. A Europa tem países que não têm condição de comprar os melhores. A China está investindo bem. Não está levando só jogadores, mas treinadores. Para crescer no futebol", ressaltou o comandante.