• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Keiller comemora defesas que levaram Inter às finais do Gaúcho, mas evita euforia

Esportes

Keiller comemora defesas que levaram Inter às finais do Gaúcho, mas evita euforia

Porto Alegre - O jovem goleiro Keiller ainda comemora as defesas das duas penalidades (uma no tempo normal e outra na disputa de pênaltis) que colocaram o Internacional na final do Campeonato Gaúcho contra o Novo Hamburgo. Terceiro reserva da equipe, ele entrou ainda no primeiro tempo do jogo contra o Caxias, no domingo passado, em Caxias do Sul (RS) - que terminou com vitória dos adversários por 1 a 0 -, devido à uma contusão de Marcelo Lomba (lesão muscular na coxa direita). Danilo Fernandes, goleiro titular, sofreu uma fratura no pé direito e só deverá retornar em meados de maio.

Mas o novato procura conter a empolgação pela atuação. "O que aconteceu domingo (na semifinal do Estadual), ficou no domingo. Para o jogo de Novo Hamburgo, é outra coisa. É outra semana, outro jogo, e tenho que me preparar para aquele jogo. Mas como citei já, ainda não caiu a ficha, nunca tinha vivido aquele momento. Foi muito especial", comemorou o goleiro.

Apesar de ter sido decisivo na classificação do time colorado, Keiller ainda não é nome confirmado entre os titulares para a primeira partida da final contra o Novo Hamburgo, no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, neste domingo, às 16 horas.

O Internacional retomou os treinamentos nesta terça-feira sob o comando do técnico Antonio Carlos Zago. Os titulares correram em volta do gramado, enquanto que os demais integrantes do elenco participaram de um treino com bola. Entre eles William, que cumpriu suspensão contra o Caxias, e o recém-contratado Marcelo Cirino (ex-Flamengo, mas que não está inscrito no Estadual), apresentado oficialmente nesta terça.

A equipe colorada, campeã das últimas seis edições do Gauchão, vai lutar pelo heptacampeonato, façanha que não alcança desde o octa de 1975, ano que marcou o início da geração de Paulo Roberto Falcão e que conquistaria também o tricampeonato brasileiro (em 1975, 1976 e 1979).