• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Dunga diz não entender importância dada à Copa América

  • COMPARTILHE
Esportes

Dunga diz não entender importância dada à Copa América

São Paulo - O técnico Dunga está confuso. Não com a escalação da seleção brasileira para o amistoso deste domingo contra o México no Allianz Parque, em São Paulo, nem em relação ao grupo que convocou para a competição - grupo este que terá três por contusão em relação à lista original. O "problema" é que o treinador diz não entender a importância que se está dando à competição do Chile, em referência a parte da imprensa e da torcida.

Dunga diz que, em 2007, quando comandou a equipe que ganhou o torneio disputado no Chile, não se deu tanto valor à conquista. Agora, parece que ser campeão no Chile resolverá todos os problemas do mundo. "Não entendo, em 2007 quando ganhamos a Copa América não era tão importante assim, agora parece que tem o mesmo valor da Copa do Mundo", reclamou Dunga entrevista na noite de sábado.

Exageros à parte, Dunga, com a língua afiada e a característica ironia nas respostas à perguntas que o desagradam, reconheceu que o título será importante. "Ganhar como atleta é sempre bom. Pela seleção a alegria é única porque é a paixão do brasileiro, do torcedor e nossa também."

Mas o treinador admite que não será fácil voltar do Chile com a taça. "É uma competição complicada, mas não podemos perder tempo. São 30 dias que teremos de aproveitar da melhor maneira possível."

Ele reconheceu também que mesmo se a seleção ganhar o título a marca negativa deixada pelo fracasso na Copa do Mundo não será apagada, principalmente os 7 a 1 levados da Alemanha, mas não vê o futebol brasileiro em nível tão baixo. Lembrou que Neymar acaba de ser fundamental para levar o Barcelona ao título da Liga dos Campeões e que há vários jogadores brasileiros se destacando mundo afora.

Para Dunga, as mudanças no futebol brasileiro têm de ocorrer independentemente dos 7 a 1, e sim porque evoluir sempre é uma exigência da vida. "Quando falamos em mudanças, normalmente queremos que os outros mudem. Se tem de haver mudança é geral, independentemente da Copa do Mundo. Mesmo que o Brasil tivesse ganhado, teria que mudar porque o mundo evolui."

Sobre as mudanças na seleção, foi sucinto. "Muitas coisas mudaram porque é nossa forma de trabalhar: minha, do Gilmar, da presidência que pediu e estamos colocando em prática".

Brasil e México se enfrentam às 17 horas, no Allianz Parque. Na quarta-feira, a seleção faz seu último amistoso de preparação para a Copa América, contra Honduras, no Beira-Rio, em Porto Alegre.