• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Provável titular do Corinthians, Léo Santos aposta na versatilidade

  • COMPARTILHE
Esportes

Provável titular do Corinthians, Léo Santos aposta na versatilidade

Léo Santos entrou ainda no primeiro tempo no duelo contra o Colo-Colo pela Libertadores na última quarta-feira substituindo Pedro Henrique.

Com a contusão de Pedro Henrique, dúvida para a partida diante do Atlético-MG, o zagueiro Léo Santos pode ganhar uma chance no Corinthians para o duelo deste sábado em Itaquera. Questionado sobre o que pode trazer para o time, ele apontou a qualidade na saída de bola e os passes longos para os atacantes como alguns dos seus diferenciais.

"Sou um jogador que tem qualidade técnica como diferencial. Não que outros não tenham qualidade no elenco. Tem e não é à toa que estão no Corinthians. Mas a questão de saída de bola, controle do jogo, achar passes mais à frente, fazer ligação direta com Jadson, achar o Douglas, posso ajudar muito nessa questão", afirmou em entrevista coletiva nesta sexta-feira.

Léo Santos entrou ainda no primeiro tempo no duelo contra o Colo-Colo pela Libertadores na última quarta-feira substituindo Pedro Henrique. Ele teve dificuldades na marcação, principalmente no jogo aéreo. No final da partida, acabou deslocado para a lateral direita em função de uma contusão de Fagner. Em alguns jogos, ele já foi escalado como volante pelo técnico Osmar Loss.

"É importante ter a noção de jogar de volante e lateral. Não só por aqui, mas para a minha vida, carreira, para o futuro. Mas sempre falei que sou zagueiro e espero ter uma sequência na minha posição. Tenho qualidade, consigo jogar no meio e na lateral e quero ser aproveitado. Se for na minha posição de origem, melhor", afirmou o jogador formado nas categorias de base do clube.

O defensor afirma que já está acostumado às pressões que costumam ocorrer no Corinthians em momentos de crise. Nos últimos cinco jogos, o time venceu apenas um. "Querendo ou não, rola uma pressão quando se está na base. Lógico que no profissional é o triplo, mas já estamos acostumados", disse o zagueiro de 19 anos.