• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após ouro histórico no Rio, Thiago Braz mira quebra de recorde mundial no salto

Esportes

Após ouro histórico no Rio, Thiago Braz mira quebra de recorde mundial no salto

Grande nome do Brasil nos Jogos do Rio, o garoto de Marília, de 22 anos, conta que sua vida mudou completamente após seu feito no salto com vara

Thiago Braz conquistou medalha de ouro na Rio 2016 Foto: R7

São Paulo - Após o ouro olímpico, Thiago Braz projeta saltos cada vez mais altos no atletismo e garante que é possível quebrar o recorde mundial. "Tudo é possível. Mas para isso preciso estar focado, treinando e respeitando meus adversários", disse, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada nesta segunda-feira. "Quero saltar cada vez mais alto (risos)! Mas, brincadeiras à parte, aos poucos estou voltando aos treinos e o meu desejo é estar sempre muito bem preparado para cada competição."

Grande nome do Brasil nos Jogos do Rio, o garoto de Marília, de 22 anos, conta que sua vida mudou completamente após seu feito no salto com vara. "Todos os dias, por onde eu passo, recebo o carinho das pessoas e isso é sensacional. Quanto aos prêmios, recebi tudo direitinho, como qualquer outro atleta", lembra.

Apesar de talentoso, ele surpreendeu no Engenhão durante a Olimpíada ao superar o favorito francês Renaud Lavillenie, que é recordista mundial com 6,16m. Na disputa com o rival, Thiago marcou 6,03m, cravando sua melhor marca na carreira e o recorde olímpico, enquanto o adversário não conseguiu superar o sarrafo nesta altura e ficou com a prata.

"Nossa relação é normal, a gente se respeita, nós não temos contato toda hora, mas quando nos encontramos ele é sempre educado. A rivalidade só acontece dentro das competições", revela. Na lembrança da torcida está a bronca do francês com o público, que vaiou o atleta e atrapalhou um pouco seu desempenho.

A medalha coroou uma trajetória de superação do rapaz. Quando tinha apenas 2 anos, foi abandonado pelos pais e criado por seus avós paternos, Maria do Carmo e Orlando, e por um tio, Fabiano. Mas ele lida com naturalidade com tudo isso e não fala de dificuldades ou dramas, pelo contrário.

"Eu não me sinto um coitado por isso, muito pelo contrário. A respeito do meu passado e à história da minha mãe, não haveria problema em uma aproximação com ela, afinal de contas, ela é minha mãe. Sei que tanto ela quanto meus avós têm participação fundamental na minha história, minha mãe me gerando e meus avós me criando", afirma.

Por causa dessa relação próxima com os parentes, ele dedicou o ouro olímpico para aqueles que participaram efetivamente em sua criação e fez questão de reencontrá-los após os Jogos do Rio. "Esse contato foi maravilhoso! Eu só tenho de agradecer ao apoio que os meus avós e o meu tio me deram. Sem eles, nada disso seria possível."

O ano de 2016 tem sido especial para Thiago. Além do ouro e do reconhecimento internacional, ele foi indicado pela Associação das Federações Internacionais de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês) como atleta do ano ao lado de grandes nomes dos esporte, como Usain Bolt, Mo Farah, Ashton Eaton e David Rudisha, entre outros. "É uma honra estar ao lado de todos eles. Estou superfeliz", comenta.

Até o atacante Neymar pediu votos para o atleta, que é agenciado pela empresa de sua família. "Sou gerenciado pela NN Consultoria, assim como o jogador Neymar Jr. A empresa é dos pais dele e eles fazem um trabalho muito legal com todos os seus gerenciados. Ainda não encontrei com ele devido às nossas agendas. Eu estou no Brasil e ele na Espanha em pleno campeonato. Mas tenho certeza que teremos muitas oportunidade de nos encontrarmos."

O grande trunfo de Thiago é treinar com Vitaly Petrov, técnico que comandou nomes como Sergey Bubka e Yelena Isinbayeva. Os dois atletas foram os maiores nomes da modalidade e ele espera chegar ao status de ambos no esporte. "Era o meu grande sonho treinar com o Vitaly, ele é um cara espetacular e além de ser meu técnico se tornou um pai pra mim. Os meus maiores exemplos são o Sergey Bubka e a Yelena Isinbayeva, eles tiveram uma carreira brilhante e quem sabe um dia chego no mesmo nível", diz.

Por ser jovem, Thiago é um atleta que ainda tem muito a crescer. Ele vive em Fórmia e quer corresponder à altura nos próximos desafios para iniciar o próximo ano com o pé direito. Sempre saltando alto. "Minha rotina na Itália se resume em comer, treinar e descansar. Neste momento estou voltando gradativamente aos meus treinos e a minha primeira competição é em janeiro de 2017", conclui.