• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após vazamento de documentos, fundo de investimento renova com Neymar

  • COMPARTILHE
Esportes

Após vazamento de documentos, fundo de investimento renova com Neymar

Em nota oficial nesta sexta, a parceria começou em abril de 2013 e permite ao fundo de investimento baseado em Malta "prospectar negócios publicitários usando a imagem" de Neymar

Fundo de investimentos renova com empresa de Neymar Foto: Agência Brasil

Barcelona - Duas semanas após o site Football Leaks, registrado na Rússia mas escrito em português, vazar o contrato entre a empresa Neymar Sport Marketing, que cuida da carreira do atleta, e o fundo de investimento Doyen Sports, as duas companhias anunciaram nesta sexta-feira que chegaram a um acordo para renovar o vínculo.

Pelo que explicou a Doyen em nota oficial nesta sexta, a parceria começou em abril de 2013 e permite ao fundo de investimento baseado em Malta "prospectar negócios publicitários usando a imagem" de Neymar. "A renovação concede à Doyen Sports trabalhar também a nível global dando sequência à boa sinergia criada com a NR Sports e aos resultados conseguidos", diz o comunicado.

Os documentos do Football Leaks mostram que o primeiro acordo entre Neymar e a Doyen foi assinado em 2 de agosto de 2012, durante os Jogos Olímpicos de Londres, entre Neymar pai e Nélio Lucas, português que preside a Doyen.

A NR Sports recebeu 6 milhões de euros do fundo de investimentos, que em troca ficou com o direito de gerir a carreira de Neymar com exclusividade na Ásia, Angola, Rússia, México e Turquia, além de Reino Unidos e EUA, sendo que nestes dois últimos sem exclusividade.

Responsável por comprar os direitos econômicos de Leandro Damião e Lucas Lima, entre outros, a Doyen tem sido alvo do Football Leaks. Em novembro o presidente do Twente, Aldo van der Laan, renunciou ao clube holandês após os contratos entre o Twente e a Doyen serem publicados. Ficou comprovado que a empresa detinha porcentagem sobre jogadores, o que a Fifa agora proíbe.