• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Doria quer fim de cobradores de ônibus

  • COMPARTILHE
Geral

Doria quer fim de cobradores de ônibus

São Paulo - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), pretende acabar em até três anos com a função de cobradores nos ônibus municipais e avalia aumentar o valor da passagem em 6% para passageiros que pagarem em dinheiro. Segundo Doria, a extinção da função deve ocorrer "gradualmente", com a transformação dos cobradores em motoristas. O sindicato que engloba as duas categorias classificou a medida como "traição" do prefeito e promete "plano de luta" contra a medida.

"Não faremos de maneira repentina. Faremos gradualmente, sem nenhum prejuízo àqueles que são cobradores. Eles terão direito à preservação dos seus empregos, só que qualificados como motoristas", disse Doria na segunda-feira, 6, no Terminal Bandeira, na região central. À tarde, em outro evento, ele complementou: "Será feito ao longo desses próximos dois a três anos."

De acordo com Doria, o programa Rapidão - um serviço de ônibus expresso prometido pelo tucano - será implementado ainda no primeiro semestre e funcionará como um teste para a categoria dos cobradores."Vamos implementar o primeiro Rapidão, com experiência BRT e analisar o seu funcionamento. E, aí, ampliar rapidamente esse novo sistema Rapidão, onde o embarque e desembarque será feito em ônibus sem cobradores. Teremos apenas um cobrador na estação."

Pagamento. Segundo o secretário municipal de Transportes, Sérgio Avelleda, a Prefeitura não descarta cobrar tarifa mais alta para os 6% dos usuários que pagam em dinheiro. "Não temos nada de concreto. Não vou descartar essa possibilidade, mas ela não está hoje na nossa pauta de estudos".

A ideia seria elevar a tarifa em 6% para quem paga em dinheiro - o que daria R$0,23 além dos atuais R$ 3,80. Em janeiro, a SPTrans apresentou estudo em que previa necessidade de aumento da passagem para R$ 4,05 para equilibrar as contas.

Hoje, cerca de 15% das receitas do sistema de transporte vem de pagamentos feitos em dinheiro, segundo relatório de receitas da SPTrans.

Reações. Presidente do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo, Valdevan Noventa classificou como "traição" o anúncio. "O prefeito pediu voto da categoria na campanha e apoiamos. Depois vem dizer que vai desempregar a categoria que apoiou. A gente vai tratar isso como traição."

"O transporte não está caro por causa do cobrador, mas das gratuidades dadas na gestão passada. Se a Prefeitura quer transporte de qualidade, como diz o prefeito, não pode acabar com os cobradores", disse Noventa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.