• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Conselho decide por demissão de tenente-coronel por envolvimento na greve da PM

  • COMPARTILHE
Polícia

Conselho decide por demissão de tenente-coronel por envolvimento na greve da PM

Segundo a decisão do Conselho de Justificativa da corporação, Carlos Alberto Foresti foi considerado culpado por atos que ferem a legislação militar

Conselho decidiu pela exoneração de Foresti por envolvimento com a greve da PM

O Conselho de Justificativa da Polícia Militar decidiu, por unanimidade, pela demissão do tenente-coronel Carlos Alberto Foresti da corporação. A decisão se deu pelo envolvimento do militar no movimento grevista da PM, em fevereiro do ano passado.

De acordo com a decisão, o oficial foi considerado culpado por atos que ferem a legislação militar. Caberá agora ao Governo do Estado acatar ou não a decisão pelo afastamento definitivo do tenente-coronel.

Em uma rede social, o tenente-coronel Foresti, que já está na corporação há quase 25 anos, lamentou o fato e disse "que saiu em defesa de uma tropa ferida após uma crise nervosa". Ele agradeceu a todos que o apoiaram e disse que agora aguarda a decisão final.

Por meio de nota, a Polícia Militar informou que, como instituição castrense, segue os preceitos legais estabelecidos em legislação própria que tutelam os valores basilares da hierarquia e disciplina, sem os quais ruiriam tais organizações, colocando em cheque a própria ordem social.

De acordo com a PM, todos os profissionais sujeitos a esta legislação possuem, em respeito ao Estado Democrático de Direito, acesso à ampla defesa e ao contraditório e, da mesma forma, estão à mercê das consequências advindas de uma eventual condenação.

Por nota, o presidente da Associação dos Oficiais Militares (Assomes), tenente-coronel Rogério Fernandes Lima, informou que o tenente-coronel Carlos Alberto Foresti não é associado à entidade, mas mesmo assim, a Assomes se preocupa com a punição e espera que todos os direitos e garantias do oficial sejam respeitados, para que não haja nenhum tipo de injustiça. 

O tenente-coronel Rogério ressaltou que a formação de um oficial tem um alto investimento do Estado e que as garantias devem ser observadas para avaliar se realmente é caso de demissão e que a Assomes continua a aguardar pelo diálogo com o governo do Estado.

A produção da TV Vitória/Record TV também entrou em contato com a assessoria de comunicação do Governo do Estado, mas não obteve retorno.