• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Cuidadora é agredida a garrafada em casa de recuperação em Vitória

Polícia

Cuidadora é agredida a garrafada em casa de recuperação em Vitória

No local moram sete homens que estão em tratamento

Uma cuidadora foi agredida por um morador de uma residência terapêutica de Tabuazeiro, em Vitória. Ela foi atingida e furada com uma garrafa. A mulher de 49 anos teve cortes na cabeça e no pescoço, foi socorrida e levada para um hospital da Capital. O caso aconteceu por volta 21h30 da última segunda-feira (8).

“Um morador estava na rua bebendo e quando ele chegou ela falou que esqueceu de dar o fumo a ele, pois ele fuma muito. Ela foi entregar a ele e ele quebrou uma garrafa e foi furando ela. Os meninos estavam jogando bola na rua e ela correu para lá. Aí os meninos a ajudaram”, contou uma vizinha.

No local moram sete homens em tratamento, e segundo as funcionárias, durante a noite somente uma cuidadora fica responsável por eles. De acordo com testemunhas, durante a noite o acusado das agressões teria sido levado pela Polícia Militar para prestar esclarecimentos na delegacia, mas na manhã desta terça-feira (9) foi levado de volta para a casa por policiais civis.

“O cara está aí de volta. Vão esperar matar uma criança para virem aqui? Ele já fez isso outras vezes. Ele queria cortar a barriga de um e disse que ia estragar a cara de outro. A senhora que foi tentar parar ele que se macucou”, destacou a vizinha.

A residência terapêutica cuida de homens com problemas mentais e que cometeram algum crime no passado. De acordo com uma funcionária, a empresa responsável pela casa é uma terceirizada do poder público e afirma que não há o suporte necessário. “Nós trabalhamos com medo. É recorrente entre eles. Às vezes é uma agressão física, uma agressão verbal. Isso já estava previsto a mais de mês que aconteceria”, afirmou.

De acordo com a funcionaria, os homens em tratamento podem sair da casa na hora que quiserem. “Eles ir na rua e voltam a hora que quiserem, já que é uma casa. Tem que manter um respeito e as regras”, disse.

Confira o vídeo da matéria: