• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Duda pediu apartamento à Odebrecht por campanha de Skaf, diz delator

  • COMPARTILHE
Política

Duda pediu apartamento à Odebrecht por campanha de Skaf, diz delator

São Paulo - O delator Hilberto Mascarenhas, da Odebrecht, declarou que o publicitário Duda Mendonça pediu ‘um apartamento’ à empreiteira como forma de receber pela campanha de 2014 do candidato ao governo de São Paulo, pelo PMDB, Paulo Skaf. Duda Mendonça fechou acordo de delação premiada com a Operação Lava Jato.

Hilberto declarou ao Ministério Público Federal que era ‘contra o marqueteiro ir na Odebrecht buscar a participação da ajuda que ele deu a um determinado político’.

"Eu defendia o seguinte: eu dou o dinheiro ao político que me pediu. Ele que pague o marqueteiro dele. Eu não preciso interpor o marqueteiro dele na relação comigo. Até porque tratar com essas figuras é complicado", afirmou.Segundo o delator, os marqueteiros ‘não têm um raciocínio financeiro’.

"Duda tinha um dinheiro para receber da campanha do Paulo Skaf, em São Paulo, ele queria um apartamento. Isso não existe. Como é que eu compro um apartamento, boto no ativo da empresa e depois lhe transfiro a custo de quê? Mas ele queria e não abria mão. ‘Se o sr não me der, eu vou falar com fulano, ciclano para poder você fazer do jeito que eu quero’. Eu disse: ‘Duda, você pode falar com Deus, eu não vou fazer’. Não é que eu não quero fazer, não é viável fazer. Tratar sobre finanças com marqueteiro e com médico é você sair perdendo", narrou.

Duda é alvo da Lista de Fachin - alentado pacote de inquéritos e petições de investigações criminais determinadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator da Lava Jato.

Com a palavra, Duda

A reportagem não localizou o marqueteiro Duda Mendonça nesta sexta-feira, 14. O espaço está aberto para sua manifestação.

Com a palavra, Paulo Skaf

"Todas as doações recebidas pela campanha de Paulo Skaf ao governo de São Paulo estão devidamente registradas na Justiça Eleitoral, que aprovou sua prestação de contas sem qualquer reparo. Paulo Skaf nunca pediu e nem autorizou ninguém a pedir qualquer contribuição de campanha que não as regularmente declaradas."