• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Justiça Federal vai fechar fórum para Moro interrogar Lula

Política

Justiça Federal vai fechar fórum para Moro interrogar Lula

A Justiça Federal do Paraná informou nesta quinta-feira (4) que vai suspender o atendimento ao público e os prazos processuais da seção judiciária do Estado na próxima segunda-feira (10)

Lula vai ser interrogado pelo juiz Sérgio Moro Foto: Agência Brasil

A Justiça Federal do Paraná informou nesta quinta-feira (4) que vai suspender o atendimento ao público e os prazos processuais da seção judiciária do Estado na próxima segunda-feira (10). A decisão é da juiza federal diretora do foro, Gisele Lemke.

A razão para paralisar as atividades é o interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que falará ao juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR), na mesma data.

O aviso publicado hoje pela Justiça Federal do Paraná alerta para "a notícia de diversas mobilizações de movimentos sociais nas imediações dos prédios da Justiça Federal" e considera "as medidas que estão sendo adotadas pela Polícia Militar do Paraná e Polícia Federal para garantir a segurança nas imediações dos edifícios da Justiça Federal".

O objetivo é "garantir a segurança do público interno e externo", conforme o comunicado.

Além da suspensão do atendimento ao público, o informe diz ainda que o acesso de magistrados, servidores, estagiários e terceirizados aos edifícios Manoel de Oliveira Franco Sobrinho (sede Cabral) e Milton Luiz Pereira (sede Centro) estará impossibilitado.

De acordo com a magistrada, o acesso "ao edifício Manoel de Oliveira Franco Sobrinho (sede Cabral) somente será permitido às pessoas diretamente envolvidas com a realização e apoio da audiência supramencionada, devidamente autorizadas pela Direção do Foro, conforme lista a ser encaminhada à Polícia Militar do Estado do Paraná".

A juíza encerra dizendo que "eventuais casos de urgência deverão ser encaminhados ao plantão judicial".