• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Adversários de Alckmin usam vídeos de Temer para vincular tucano ao governo

Política

Adversários de Alckmin usam vídeos de Temer para vincular tucano ao governo

Adversários do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) estão usando os vídeos do presidente Michel Temer atacando o tucano para vincular o candidato do PSDB ao governo do emedebista. Desde ontem, Temer publicou dois vídeos chamando a atenção de Alckmin. No primeiro deles, disse que o tucano estava colocando "falsidades" em seu programa eleitoral ao negar que partidos de sua coligação integram a base do governo. Na segunda gravação, Temer reforçou que os tucanos o auxiliaram na aprovação de reformas.

Nas redes sociais, candidatos do PT usaram o vídeo para reforçar o discurso de que o candidato de Temer na campanha é Geraldo Alckmin. "Restabelecendo o que é fato. Afe!!!", escreveu a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann. O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) compartilhou o trecho de uma música de Nelson Gonçalves para ironizar o ataque do presidente: "Diga que já não me quer! Negue que me pertenceu, que eu mostro a boca molhada ainda marcada pelo beijo seu!"

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), também fez a vinculação. "Resumindo o recado de Temer a Alckmin: trocar um pelo outro é trocar seis por meia dúzia, pois ambos são o mesmo tipo de política", afirmou. Guilherme Boulos, candidato do PSOL à Presidência, por sua vez, destacou que o vídeo comprova o que ele afirmou quando disse que Alckmin é "um dos 50 tons de Temer" na eleição.

Nesta quinta-feira, 6, o terceiro vídeo de Temer foi direcionado a Fernando Haddad (PT), que deve assumir a candidatura petista à Presidência. Nas redes petistas, a resposta veio com ataques ao emedebista. "Obrigado, Temer, por reforçar que o PT combate a reforma trabalhista criminosa aprovada por você e seus tucanos de estimação. O seu governo é tão patético que te restou virar YouTuber em pleno processo eleitoral", publicou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).