• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Campanha de Marina terá reforço de cineastas

Política

Campanha de Marina terá reforço de cineastas

Com 21 segundos dos 12 minutos de cada bloco do horário eleitoral na TV destinado aos presidenciáveis, a campanha de Marina Silva (Rede) vai apostar em vídeos autorais, "filmes" de cerca de 3 minutos, feitos por cineastas voluntários, para apresentar a candidata nas redes sociais e no WhatsApp. Entre os apoiadores estão Fernando Meirelles, diretor de Cidade de Deus e Ensaio sobre a Cegueira.

A estratégia dos "filmes" segue o tom da própria campanha, mais descentralizada e dando liberdade para que cada um dos realizadores possa apresentar sua visão da candidata, segundo o coordenador da campanha, Lourenço Bustani. "Optamos por sistemas mais horizontais, descentralizados e distribuídos, pautados em grande parte pelo voluntariado, para garantir uma riqueza de olhares, tão diversos quanto nosso próprio País", diz Bustani.

Como a campanha neste ano será mais curta, os "filmes" devem focar especialmente no principal eleitorado de Marina - mulheres, negras, de baixa escolaridade e baixa renda, segundo a mais recente pesquisa Ibope/Estado/TV Globo. Também fazem parte do projeto dos filmes autorais André D'Elia e Jorge Brivilati.

'Você, mulher'

No sábado, a Rede veiculou o primeiro vídeo da candidata no horário eleitoral, em que ela diz que quer falar com "você, mulher". Todas as inserções e vídeos para a propaganda eleitoral já foram gravados no domingo retrasado, em um estúdio. Eles vão tratar de pontos do programa da candidata, como a sustentabilidade e agricultura familiar, que passam mais ao largo do programa de TV da candidata, pela falta de tempo.

Em 18 de agosto, uma equipe de voluntários que acompanhavam a candidata no Acre fizeram um vídeo sobre a viagem. Todo em preto e branco, com uma narração no fundo, o vídeo tem uma estética diferente dos tradicionais vídeos de campanha e, apesar de não fazer parte dos projeto dos cineastas, revela uma nova abordagem para a produção audiovisual da campanha da Rede. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.