• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

No Brasil, quase 50% das pessoas não se exercitam

  • COMPARTILHE
Saúde

No Brasil, quase 50% das pessoas não se exercitam

Levantamento da organização aponta que o País ocupa 5.º lugar no mundo com mais sedentários


Faz mais de 20 anos que a pedagoga e cuidadora de idosos Marlucy Evangelista Moura, de 51 anos, é sedentária. Ela diz que deixou de praticar atividades físicas após o segundo casamento, quando tinha 30 anos. "Eu relaxei, é o mal do ser humano. Eu me acomodei, porque fazia caminhada e ginástica, mas vieram os filhos e eu falava que não tinha tempo."

Atualmente, diz que só não fica mais parada por morar em um prédio sem elevador. "Moro no segundo andar e desço e subo de escada. A minha sorte é essa." Mas não é algo que faça com facilidade. Com 98 quilos, ela diz se sentir cansada com a atividade e faz planos de perder peso. "Estamos montando uma academia no condomínio. Compramos esteira, bicicleta ergométrica. Vamos ver se a gente monta um grupo de mulheres do prédio. Acho que agora vai."

Marlucy é exemplo de uma situação cada vez mais comum no Brasil. Estudo publicado nesta terça-feira, 4, pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na revista The Lancet Global Health Journal apontou que 47% da população brasileira adulta não realiza atividades físicas suficientes. Os dados são de 2016.

Em 15 anos, o Brasil foi o país que registrou um dos maiores saltos no que se refere ao porcentual de população com comportamento físico inadequado, ocupando a quinta posição entre os países com as piores taxas no mundo. É um quadro mais comum em mulheres - 53% são consideradas como inativas.

O levantamento avaliou 1,9 milhão de pessoas em 168 países. A OMS alerta que mais de 1,4 bilhão de adultos no mundo correm risco de desenvolver algum tipo de doença por não praticar atividades físicas de forma suficiente. Entre os riscos estão doenças cardiovasculares, diabete, câncer e demência.

A organização considera que um patamar adequado inclui 150 minutos de atividade física moderada por semana ou 75 de uma prática intensa. Isso vai de caminhadas a passos rápidos e nadar até ir ao trabalho de bicicleta ou fazer esportes.

O estudo mostra que uma em cada três mulheres no mundo e um a cada quatro homens não fazem atividades físicas em um nível considerado como suficiente. Desde o início do século, essa taxa tem sem mantida praticamente inalterada.

As taxas mais preocupantes estão em países como Kuwait (67%), Samoa Americana (53,4%), Arábia Saudita (53,1%) e Iraque (52%), com mais de metade dos adultos com uma atividade insuficiente. O índice brasileiro é quase duas vezes mais elevado que a média mundial. Nos EUA, é de 40%; no Reino Unido, de 36%. Chama a atenção a China, com 14%. De 68 países que mantinham os dados entre 2001 e 2016, 37 deles registraram alta no índice de pessoas inativas. O aumento foi de mais de 15 pontos porcentuais no Brasil, um salto bem acima do incremento de 5 pontos visto nos países ricos. Em 28 países, o problema diminuiu.

Urbanização

Para Regina Guthold, principal autora do levantamento, o fenômeno no Brasil está relacionado às rápidas mudanças que ocorreram na sociedade nos últimos 20 anos, com uma maior urbanização, um aumento da classe média, ocupações sedentárias e a explosão do uso de tecnologias. De acordo com a OMS, telefones e computadores ficaram mais populares e mais baratos nos últimos anos, tendo impacto direto no comportamento das pessoas. "Tudo foi muito rápido no Brasil e o País talvez não tenha encontrado uma solução para lidar com essa nova realidade."

Para a OMS, é necessário que políticas públicas criem oportunidades para que atividades físicas passem a fazer parte da rotina, com acesso a locais seguros. "Isso inclui parques, mas também a possibilidade de ir de bicicleta ao trabalho", diz Regina. Campanhas para "convidar" as pessoas a serem mais ativas precisam ser realizadas, além de mudanças na estrutura de trabalho.

Lafayette Lage, ortopedista brasileiro especialista em medicina esportiva, lembra que atividade física é importante não só para o aparelho locomotor como também para o cardiovascular. Mas alerta que todos que queiram realizar uma prática esportiva devem ser avaliados por um médico ortopedista ou fisiatra para descartar problemas nos joelhos, quadris, ombros e articulações. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.