• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Novembro Azul: o câncer de próstata fica atrás somente do câncer de pele não melanoma

  • COMPARTILHE
Saúde

Novembro Azul: o câncer de próstata fica atrás somente do câncer de pele não melanoma

A cada 10 homens diagnosticados com a doença, nove têm mais de 55 anos

Foto: Pixabay
Para o Brasil, estimam-se 68.220 casos novos de câncer de próstata para cada ano do biênio 2018-2019.

Conforme o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), para o Brasil, estimam-se 68.220 casos novos de câncer de próstata para cada ano do biênio 2018-2019. Esses valores correspondem a um risco estimado de 66,12 casos novos a cada 100 mil homens. Ele é considerado câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos.

No Brasil, a cada 10 homens diagnosticados com a doença, nove têm mais de 55 anos. No entanto, há tumores que podem crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos e podendo levar à morte.

“Geralmente, os homens são imediatistas. Eles ainda não tem a cultura de se cuidar de maneira preventiva, procuram o médico somente quando estão sentindo algo que esteja incomodando. O papel do novembro azul é conscientizá-los da importância em se prevenir, ao invés de apenas remediar”, disse o médico oncologista do Núcleo Especializado em Oncologia (Neon), Cristiano Drumond.

“Os números mostram que 90% dos casos diagnosticados em fase inicial têm cura, desde que o diagnóstico e o tratamento ocorram em fase inicial. É importante que os homens passem a se cuidar como rotina, independente de sentirem algo ou não. O Câncer de próstata é assintomático no início, quando os sinais acontecem, a doença já está em estágio mais avançado”, disse.

Alguns tipos de câncer de próstata evoluem de forma rápida, outros, não. A maioria dos casos tem bom prognóstico, principalmente se descoberto no início”, disse a médica oncologista do Núcleo Especializado em Oncologia (Neon), Kítia Perciano.

“As opções de tratamento são definidas de acordo com cada caso e exige o envolvimento de uma equipe multidisciplinar. Essa equipe deverá ser formada por especialistas, como cirurgião, oncologista e radioterapeuta. Mas, muitos outros poderão estar envolvidos durante o tratamento, como, enfermeiros, nutricionistas, assistentes sociais e psicólogos”, disse a médica.

“É importante que todas as opções de tratamento sejam discutidas com o médico, bem como seus possíveis efeitos colaterais, para ajudar a tomar a decisão que melhor se adapte às necessidades de cada paciente”, completou.

Como prevenir o câncer de Próstata

“Manter hábitos saudáveis é a melhor forma de prevenir o câncer de próstata, o que inclui uma dieta pobre em alimentos gordurosos, objetivando evitar ganho ponderal, mesmo que pequeno; atividade física regular, pouca ingestão de bebidas alcoólicas e nenhum cigarro. A atividade física e boa alimentação são considerados os principais fatores de proteção contra a doença”, disse a Dra Kítia.

“O ganho progressivo de peso, mesmo que lento, durante o passar dos anos estimula a multiplicação celular e o risco de ter câncer”, disse.

Sinais que exigem atenção

- Micção frequente.

- Fluxo urinário fraco ou interrompido.

- Vontade de urinar frequentemente à noite (Nictúria).

- Sangue na urina ou no líquido seminal.

- Disfunção erétil.

- Dor no quadril, costas, coxas, ombros ou outros ossos se a doença se disseminou.

- Fraqueza ou dormência nas pernas ou pés.

Exames investigativos

- Toque prostático: o médico avalia tamanho, forma e textura da próstata, introduzindo o dedo, protegido por uma luva lubrificada, no reto. Esse exame permite palpar as partes posterior e lateral da próstata e detectar algum nódulo

- PSA: exame de sangue que mede a quantidade de uma proteína produzida pela próstata - antígeno prostático específico (PSA). Níveis altos dessa proteína podem significar câncer, mas também doenças benignas da próstata

- Biópsia: para confirmar a doença é preciso fazer biópsia. Nesse exame são retirados pedaços muito pequenos da próstata, para serem analisados em laboratório. Ela é indicada caso seja encontrada alguma alteração no exame de PSA ou no toque retal.